O Grupo Banco Mundial anunciou nesta segunda-feira (3) um novo e importante conjunto de metas para o clima, que valerá entre 2021-2025, dobrando seus atuais investimentos para cerca de US$ 200 bilhões em apoio aos países que tomarem medidas climáticas ambiciosas. O plano aumenta significativamente o apoio à adaptação e à resiliência, reconhecendo os impactos crescentes das mudanças climáticas nas vidas e nos meios de subsistência, especialmente nos países mais pobres do mundo.

“A mudança climática é uma ameaça existencial para os mais pobres e vulneráveis ​​do mundo. Essas novas metas demonstram a seriedade com que estamos lidando com essa questão, investindo e mobilizando US$ 200 bilhões em cinco anos para combater a mudança climática”, disse o presidente do Grupo Banco Mundial, Jim Yong Kim. “Estamos nos esforçando para fazer mais e ir mais rápido no clima e pedimos à comunidade global que faça o mesmo. Trata-se de colocar os países e as comunidades encarregadas de construir um futuro mais seguro e mais resistente às mudanças climáticas”.

Os US$ 200 bilhões do Grupo são compostos de aproximadamente US$ 100 bilhões em financiamento direto do Banco Mundial e aproximadamente US$ 100 bilhões em financiamento direto combinado da Corporação Financeira Internacional (IFC) e da Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA) e capital privado mobilizado pelo Grupo do Banco Mundial.

Uma das principais prioridades é aumentar o apoio à adaptação climática, reconhecendo que milhões de pessoas em todo o mundo já estão enfrentando as graves consequências de eventos climáticos mais extremos.

“As pessoas estão perdendo suas vidas e meios de subsistência por causa dos efeitos desastrosos da mudança climática. Precisamos combater as causas, mas também nos adaptar às consequências que são mais dramáticas para as pessoas mais pobres do mundo”, disse a diretora executiva do Banco Mundial, Kristalina Georgieva. “É por isso que nós, no Banco Mundial, nos comprometemos a aumentar o financiamento climático para US$ 100 bilhões, metade dos quais vão para construir casas, escolas e infraestrutura melhor adaptadas e investir em agricultura inteligente, gestão sustentável de água e redes de segurança social”.

Para onde o dinheiro vai

O Banco Mundial pretende desenvolver um novo sistema de classificação para rastrear e incentivar o progresso global. As ações incluirão o apoio a previsões de alta qualidade, sistemas de alerta antecipado e serviços de informação climática para melhor preparar 250 milhões de pessoas em 30 países em desenvolvimento para riscos climáticos. Além disso, os investimentos esperados construirão sistemas de proteção social mais sensíveis ao clima em 40 países e financiarão investimentos em agricultura inteligente em 20 países.

“Há literalmente trilhões de dólares em oportunidades para o setor privado investir em projetos que ajudarão a salvar o planeta”, disse Philippe Le Houérou, CEO da IFC. “Nosso trabalho é sair e encontrar de forma proativa essas oportunidades, usar nossas ferramentas de redução de riscos e investir em investimentos do setor privado. Faremos muito mais para ajudar a financiar energia renovável, construções verdes, agronegócio inteligente em termos climáticos, transporte urbano, água e gestão de resíduos urbanos”.

Nos principais setores, os esforços incluirão:

– Em Energia: Apoiar a geração, integração e habilitação de infraestrutura para 36 GW de energia renovável e suportar 1,5 milhão de GWh equivalentes a economia de energia por meio da melhoria da eficiência;

– Nas cidades: ajudar 100 cidades a alcançar um planejamento urbano de baixo carbono e resiliente e desenvolvimento orientado ao trânsito;

– Em alimentos e uso da terra: Aumentar o manejo integrado da paisagem em até 50 países, cobrindo até 120 milhões de hectares de florestas.