O aumento das temperaturas pode resultar em uma diminuição na quantidade de chuvas na região amazônica. Este é o resultado do estudo divulgado na última terça-feira (10), feito pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em parceria com o Met Office Hadley Centre (MOHC), do Reino Unido.

A pesquisa mostra um alerta para o futuro desse bioma, que tem importância econômica e ambiental para o Brasil e para outros países da América do Sul. Segundo o relatório, a Amazônia é responsável por 70% do PIB dos países que possuem parte desse bioma em seu território, por isso esté diretamente ligada ao “bem-estar econômico do continente sul-americano”.

O objetivo da pesquisa é servir como base para que novas políticas públicas sejam implantadas com o intuito de preservar e possibilitar o desenvolvimento sustentável em toda a região amazônica, ou seja, impedir que o desmatamento continue crescendo fora de controle, como ocorre há muitos anos.

O estudo “Assessment of the Risk of Amazon Dieback”, feito pelo Banco Mundial, estima que até 2025, 75% da floresta amazônica pode deixar de existir, os números pioram ainda mais em um cenário projetado daqui 65 anos, quando a abrangência do bioma pode se limitar a 5% de seu território original.

Além da importância econômica é preciso considerar todo o poder natural que a Amazônia tem e como essa floresta influencia na manutenção ambiental e humana, já que boa parte da água doce brasileira está armazenada lá e seus rios também são importantes para a produção energética em todo o país. Com informações do Globo Natureza.

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.