O uso do agrotóxico glifosato, também conhecido como “mata-mato”, será proibido na Alemanha a partir do final de 2023, quando expira o período de aprovação da União Europeia. Enquanto isso, o país fará um esforço progressivo para reduzir o uso do produto químico em jardins, terrenos baldios e no campo.

A proibição aconteceu na semana passada como parte de um programa de conservação de insetos. “O que prejudica os insetos também prejudica as pessoas”, disse a Ministra do Meio Ambiente alemã, Svenja Schulze.

“O que precisamos é mais zumbido e zumbido”, acrescentou Schulze, enfatizando que “um mundo sem insetos não vale a pena viver”. O uso do glifosato tem sido associado ao declínio de insetos no mundo, afetando assim a polinização de espécies, inclusive na agricultura.

Criado pela Monsanto (atual Bayer), o glifosato é o agrotóxico mais vendido do mundo. Somente no Brasil, foram mais de 173 mil toneladas vendidas em 2017, três vezes mais do que o segundo agrotóxico mais vendido. Seu princípio ativo mata qualquer planta existente no local, sobrevivendo apenas as sementes transgênicas (geneticamente modificadas) que também foram desenvolvidas pela empresa. Saiba mais aqui.

Roundup

A Bayer, que vende o produto sob a marca Roundup, reagiu contra a proibição, alegando que o uso do glifosato é seguro, apesar de especialistas no mundo todo alertarem que o químico pode causar câncer em humanos. Em 2015, a Organização Mundial da Saúde divulgou um relatório concluindo que o glifosato é um possível causador de câncer.

Banimento pelo mundo

A proibição da Alemanha ocorre logo após a aprovação de uma lei na Áustria que proíbe o produto químico. No mês passado, 20 prefeitos franceses também decidiram proibir o agrotóxico em seus municípios. O glifosato também é proibido na Colômbia, desde 2015, porém existe um forte lobby pressionando para que o banimento seja derrubado no país.

Em 2017, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução para proibir o uso de glifosato até 2022, mas após uma reação extrema da indústria, a Comissão da UE votou para estender a licença de glifosato por mais cinco anos. Apesar dessa extensão, muitos países que discordaram dela fizeram progressos na eliminação gradual do uso do produto químico.

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.