6ª edição do Prêmio MapBiomas está com inscrições abertas

Serão premiados oito trabalhos, que juntos receberão um total de R$ 80 mil, além de bolsas para um curso de Geoprocessamento

relatório MapBiomas
Foto: Christiano Antonucci | Secom-MT

Estão abertas as inscrições para a sexta edição do Prêmio MapBiomas. Realizado em colaboração com o Instituto Ciência Hoje, a iniciativa visa reconhecer e estimular trabalhos que desenvolvem soluções e tenham contribuído para a produção de conhecimento e aplicações na ciência, políticas públicas, no setor privado e na educação a partir do uso dos dados de uma iniciativa, módulo ou produto do MapBiomas no Brasil ou no exterior.

Ao todo serão premiados oito trabalhos, que juntos receberão um total de R$ 80 mil, além de bolsas para um curso de Geoprocessamento de imagens de satélite utilizando o Google Earth Engine promovido pela Solved e assinaturas anuais da Revista Ciência Hoje Digital. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 15 de abril pelo site do prêmio, onde há o edital completo e o formulário de inscrição. Os vencedores serão anunciados em junho deste ano.

O Prêmio MapBiomas é uma oportunidade única para aqueles que buscam destacar seu trabalho e contribuir para o avanço do conhecimento em áreas como monitoramento de desmatamento, uso da terra e biodiversidade. Para dar conta da diversidade de usos dos dados que o MapBiomas produz, a premiação conta com seis categorias: Geral, Jovem, Destaque Aplicações em Políticas Públicas, Destaque Aplicações em Negócios, Aplicações em Escolas e Ações de Combate ao Desmatamento. Este é o segundo ano que a premiação conta com as categorias Ações de Combate ao Desmatamento e Aplicações em Escolas.

prêmio MapBiomas
Imagem: Reprodução | MapBiomas

Podem concorrer ao Prêmio MapBiomas diversos formatos de trabalho, como estudos, artigos, monografias, dissertações, teses ou relatórios, desenvolvidos individualmente ou em co-autoria, por estudantes de escolas, nível técnico, graduação, pós-graduação, professores, profissionais de empresas privadas ou de ONGs, gestores públicos, etc. Os trabalhos podem explorar uma variedade de iniciativas, módulos e produtos do MapBiomas, como o MapBiomas Alerta, MapBiomas Fogo, MapBiomas Água e MapBiomas Solo.

“Hoje a rede MapBiomas está em 14 países envolvendo diferentes iniciativas além da cobertura e uso da terra. Esperamos que a sexta edição do prêmio siga incentivando as diferentes aplicações e inovações desta ciência aberta, colaborativa, acessível e de impacto realizada pelo MapBiomas e seus usuários”, comenta a coordenadora científica do MapBiomas, Julia Shimbo.

prêmio MapBiomas
Imagem: Reprodução | MapBiomas

MapBiomas

O MapBiomas é iniciativa multi-institucional, que envolve universidades, ONGs e empresas de tecnologia, focada em monitorar as transformações na cobertura e no uso da terra no Brasil, para buscar a conservação e o manejo sustentável dos recursos naturais, como forma de combate às mudanças climáticas. Esta plataforma é hoje a mais completa, atualizada e detalhada base de dados espaciais de uso da terra em um país disponível no mundo.

Todos os dados, mapas, métodos e códigos do MapBiomas são disponibilizados de forma pública e gratuita no site da iniciativa. Além disso, a rede MapBiomas ampliou-se para outros 13 países, como também gera outros produtos como MapBiomas Alerta, MapBiomas Fogo e MapBiomas Água.

Instituto Ciência Hoje 

O Instituto Ciência Hoje (ICH) é uma organização privada, sem fins lucrativos, voltada à divulgação científica no Brasil. É responsável pela publicação das revistas Ciência Hoje e Ciência Hoje das Crianças. Ambas as publicações foram pioneiras na divulgação científica brasileira: a CH foi fundada em 1982 e já contabiliza mais de 400 edições; a CHC é até hoje a única publicação escrita por cientistas de todas as áreas para o público infantojuvenil. O diferencial do ICH é a relação estreita com a comunidade científica, que valida o conteúdo de todas as suas publicações. A qualidade desse conteúdo foi inspiradora para que o ICH passasse a atuar também no segmento da educação científica.