- Publicidade -

Florença paga para moradores trocarem carro por bicicleta

Bom para a saúde e para o planeta, uso da bicicleta é incentivado com programa de recompensas

Florença bicicleta
Foto: Soff Garavano Puw | Unsplash

A bicicleta é um meio de locomoção de baixo custo que não emite poluentes e ainda estimula uma vida mais saudável. Bons planejadores de políticas de mobilidade urbana têm incentivado o uso do modal e algumas cidades europeias estão até concedendo verba para estimular novos ciclistas. É o caso de Florença, na Itália, que vai literalmente pagar para os moradores pedalarem.

- Publicidade -

Fomentar a troca do deslocamento de carro pela bicicleta é o principal objetivo do programa “Pedala, Firenze ti premia”. Os interessados devem se inscrever em um aplicativo chamado Pin Bike para receber 20 centavos de euro por quilômetro rodado, sendo até ​​30 euros por mês.

Como o foco é atrair novos ciclistas, quem opta por deixar o automóvel em favor dos pedais ganha um pouco mais, porém quem já usa a bicicleta em seus deslocamentos diários também será recompensado com até 15 centavos por quilômetro.

Florença bicicleta
Foto: Klemens Köpfle | Unsplash

O objetivo do projeto é promover a utilização da bicicleta em todos os trajetos sistemáticos, não só casa-trabalho, mas também casa-escola/universidade. Os participantes podem definir até duas rotas de “casa/escola” e “casa/trabalho” para atender às necessidades de quem tem vários locais de estudo ou trabalho.

O uso da bike será também promovido em outras viagens com destinos gerais (desde que realizadas no próprio município, de segunda a sexta-feira), reduzindo assim a utilização de veículos motorizados. Em tais casos, podem ser acrescidos cinco centavos, sendo que o valor máximo acumulável será igual a 2 euros por dia e 30 euros por mês.

- Publicidade -

Será possível utilizar tanto bicicletas comuns como bicicletas assistidas por pedal. Precisamente para esta última, e-Bike e Cargo-Bike, a compra será incentivada pelo município a partir de junho.

Como vai funcionar

A partir do dia 13 de maio, as pessoas poderão começar a se inscrever. Uma vez cadastrados, os potenciais ciclistas receberão um dispositivo antifraude – patenteado para certificação, monitoramento e gamificação de percursos urbanos. O sistema certificará o uso real da bicicleta.

Florença bicicleta
Foto: Erifili Gounari | Unsplash

Além disso, dois mil kits contendo um suporte para smartphone no guidão e luzes de sinalização serão distribuídos. Será mais um incentivo aos novos ciclistas.

- Publicidade -

A cidade de Florença, que anunciou 1,2 milhões de euros para estimular a população a pedalar, também vai atribuir um bônus de 100 euros por mês aos 200 ciclistas que acumularem mais pontos no aplicativo por meio de diversas “ações virtuosas”, o que incluirá o número de quilômetros percorridos, assim como a participação em eventos e questionários.

O programa em Florença entrará em vigor a partir de 3 de junho, no Dia Mundial da Bicicleta, e terá a duração de um ano.

Carros e emissões

A iniciativa italiana integra o projeto “Florença para o clima”, que inclui a adoção de medidas para a melhoria da qualidade do ar. Promover práticas de mobilidade sustentável é também uma medida eficaz que pode ser incluída nas estratégias de redução de emissões de gases de efeito estufa das cidades. Um relatório da Agência Internacional de Energia revelou que os Sport Utility Vehicle (SUVs) – cujas emissões de dióxido de carbono aumentaram quase 70 milhões de toneladas em 2022 – têm se tornado cada vez mais populares.

No mesmo período citado, a venda de carros no mundo caiu 0,5%, mas as vendas de SUVs subiram cerca de três por cento. São dados que acendem o alerta de que é preciso criar soluções robustas para desincentivar o uso de automóveis.

impacto SUVs
O tamanho e o motor dos veículos SUVs não se justificam em ambientes urbanos. Foto: Pixabay

O sistema de recompensa para o uso de bicicletas tem sido uma estratégia adotada de modo temporário em diversas cidades, mas especialistas alertam que é mais eficiente oferecer estruturas eficientes, para que o ciclista se sinta seguro e a viagem de bicicleta seja tão ou mais rápida e prática do que de carro. Desta forma, cria-se, de fato, um estímulo permanente ao uso da bike como meio de lazer e transporte.