Um grupo de pesquisa liderado por cientistas da Universidade Estadual de Washington (WSU, na sigla em inglês), nos EUA, encontrou uma maneira de transformar produtos residuais plásticos em combustível para aviação.

O pesquisador Hanwu Lei explica que derreteu resíduos de plástico em alta temperatura com carvão ativado, um carbono processado com maior área de superfície, para produzir combustível de aviação.

“O desperdício de plástico é um enorme problema em todo o mundo”, disse Lei, professor do Departamento de Engenharia de Sistemas Biológicos da WSU. “Essa é uma maneira muito boa e relativamente simples de reciclar esses plásticos”.

Como funciona

No experimento, o professor e seus colegas testaram o polietileno de baixa densidade e misturaram uma variedade de resíduos de produtos plásticos, como garrafas de água, garrafas de leite e sacolas plásticas, e os moeram até cerca de três milímetros -, ou aproximadamente o tamanho de um grão de arroz.

Os grânulos de plástico foram então colocados em cima do carvão ativado em um reator tubular a uma temperatura alta, variando de 430 graus Celsius a 571 graus Celsius. O carbono é um catalisador ou uma substância que acelera uma reação química sem ser consumida pela reação.

“O plástico é difícil de quebrar”, disse Lei. “Você tem que adicionar um catalisador para ajudar a quebrar as ligações químicas. Há muito hidrogênio nos plásticos, que é um componente chave no combustível”.

Time de pesquisadores | Foto: WSU/Divulgação

Uma vez que o catalisador de carbono tenha feito seu trabalho, ele pode ser separado e reutilizado no próximo lote de conversão de plástico residual. O catalisador também pode ser regenerado após perder sua atividade.

Depois de testar vários catalisadores diferentes a diferentes temperaturas, o melhor resultado foi que eles produziram uma mistura de 85% de combustível de aviação e 15% de combustível diesel.

Impacto ambiental

De acordo com a Agência de Proteção Ambiental, os aterros nos EUA receberam 26 milhões de toneladas de plástico em 2015. A China recentemente parou de aceitar a reciclagem de plástico dos EUA e do Canadá. Estimativas conservadoras feitas por cientistas dizem que pelo menos 4,8 milhões de toneladas de plástico entram no oceano a cada ano em todo o mundo.

“Podemos recuperar quase 100% da energia do plástico que testamos”, disse Lei. “O combustível é de muito boa qualidade, e os gases produzidos pelos subprodutos são de alta qualidade e úteis também.”

Ele também disse que o método para este processo é facilmente escalável. Poderia funcionar em uma grande instalação ou mesmo em fazendas. “Você tem que separar o produto resultante para obter combustível para jatos”, disse Lei. “Se você não separar, então é tudo combustível diesel.” Confira o estudo aqui.