- Publicidade -

Cinco benefícios psicológicos do minimalismo

O psicólogo Mark Travers traz dados sobre o impacto positivo de uma vida mais simples e consciente para a nossa saúde mental

minimalismo xícara
Foto: Nordwood Themes | Unsplash

Hoje em dia, determinados produtos são considerados conquistas pessoais. A felicidade muitas vezes se conecta ao consumismo, sem a reflexão fundamental de que nossos sentimentos não são construídos por coisas, mas sim por momentos. Para trazer uma oposição a este cenário insustentável (em vários sentidos), o movimento minimalista traz a ideia de que menos pode realmente ser mais: trazendo mais tempo, mais tranquilidade e até mesmo garantindo mais dinheiro para gastar com o que realmente importa.

- Publicidade -

Embora o minimalismo possa parecer apenas uma decisão prática ou até mesmo uma tendência estética, seus benefícios vão muito além dos aspectos materiais de organização, espaço e facilidade. A saúde mental ganha força com um estilo de vida mais simples e significativo. Quem explica isso é Dr. Mark Travers, Ph.D. e psicólogo americano formado pela Cornell University e pela University of Colorado Boulder que ocupa o cargo de psicólogo-chefe da empresa de saúde Awake Therapy.

As raízes psicológicas do minimalismo

saúde mental mulher
Foto: Eye for Ebony | Unsplash

De acordo com um estudo publicado no Journal of Applied Positive Psychology, o minimalismo é mais do que apenas uma tendência de design; é uma filosofia baseada na vida consciente e na simplicidade. Indivíduos que praticam o minimalismo priorizam as experiências em detrimento das coisas, buscando a realização por meio de conexões significativas em vez da acumulação material.

Segundo o Dr. Mark Travers, “O minimalismo oferece um caminho para maior autonomia, competência e clareza mental”.

5 benefícios psicológicos do minimalismo

minimalismo bicileta
Foto: Tiffany Nutt | Unsplash

1. Autonomia

O minimalismo permite que as pessoas se libertem das restrições da sociedade de consumo e vivam de acordo com os seus próprios ideais. As pessoas recuperam o controle de suas vidas e desenvolvem um sentimento mais forte de autenticidade ao abrir mão de bens supérfluos. Nas palavras do Dr. Travers, “O minimalismo proporciona uma fuga da monotonia do consumismo, permitindo que os indivíduos busquem uma vida que lhes pareça verdadeira”.

- Publicidade -
minimalismo organização
Foto: Igor Son | Unsplash

2. Competência

Simplificar o ambiente pode proporcionar uma maior sensação de controle e ordem. Os indivíduos sentem-se menos estressados ​​e ansiosos quando há menos distrações e desordem, permitindo-lhes administrar melhor suas vidas. “O minimalismo promove um sentido de competência e domínio, à medida que os indivíduos ganham controle sobre o que os rodeia e, por extensão, sobre o seu bem-estar”, garante o Dr. Travers.

minimalismo planta água
Foto: Sarah Dorweiler | Unsplash

3. Espaço mental 

O minimalismo gera espaço físico e mental, resultando em uma mente mais clara e focada. Os indivíduos podem economizar energia mental e se tornar mais tranquiloos, removendo a desordem externa. Travers continua dizendo: “A ausência de desordem física leva a menos caos interno, permitindo que os indivíduos desfrutem de uma sensação de leveza e paz”.

meditação consciência
Foto: Katerina May na Unsplash

4. Conscientização

Levar um estilo de vida simples promove atenção plena e reflexão. Os indivíduos tornam-se mais conscientes dos seus valores e prioridades quando não se distraem com coisas materiais. “O minimalismo aumenta a consciência e a apreciação pelos prazeres simples da vida, promovendo a gratidão e o contentamento”, explica o psicólogo.

- Publicidade -
felicidade
Foto: iStock

5. Emoções positivas

O minimalismo promove o bem-estar e a realização geral. Indivíduos que praticam a simplicidade e uma vida mais consciente relatam níveis mais elevados de alegria, calma e satisfação geral. Para o Dr. Travers, “o minimalismo catalisa emoções positivas, permitindo que os indivíduos se libertem do estresse e da ansiedade de uma sociedade voltada para o consumo”.

Como se tornar uma pessoa minimalista?

A transição para um estilo de vida minimalista pode parecer difícil, mas é perfeitamente possível com a mentalidade e estratégia adequadas. Uma dica é refletir antes de consumir, fazendo uma série de perguntas sobre a possível compra:

  • Você está pensando nisso há pelo menos duas semanas?
  • Ele aborda um problema real que você identificou?
  • Você já possui algo semelhante?
  • Vale a pena comprá-lo desistir do progresso em direção ao seu próximo objetivo financeiro?
  • Você ainda utilizará a compra daqui a cinco anos?
  • Você consegue ser produtivo e feliz sem ele?
  • O custo por uso vale a pena?
  • O seu estado mental está tranquilo no momento da decisão?
  • A compra seria motivada por intenção ou impulso?
  • É um item de alta qualidade a um preço acessível?

Se suas respostas forem em sua maioria negativas, você pode presumir com segurança que a compra não vale o suficiente para você e seu espaço.

Com essa mentalidade, você pode iniciar um caminho revolucionário em direção à vida minimalista, engajando-se no consumo consciente e projetando uma casa repleta apenas de objetos que tenham um propósito e tragam prazer.

O minimalismo é mais do que apenas organizar; trata-se de recuperar o controle de nossas vidas e priorizar o que é verdadeiramente importante. Ao praticar a simplicidade e a atenção plena, podemos abrir espaço para conexões mais profundas, experiências significativas e um modo de vida mais gratificante.

minimalismo casa organizada
Foto: iStock