proibição de plástico descartável
Foto: Volodymyr Hryshchenko | Unsplash

Com uma das maiores economias do mundo, a Alemanha acaba de dar mais um passo rumo ao desenvolvimento sustentável. Trata-se da proibição da comercialização dos seguintes plásticos descartáveis: canudos, cotonetes e recipientes para alimentos.

A resolução do gabinete alemão alia-se às diretrizes da União Europeia, que, em forma de lei, vai proibir 10 itens plásticos descartáveis a partir de 2021.

Na prática, a Alemanha não poderá mais vender talheres, pratos, agitadores descartáveis (usados em bares e festas), assim como copos e caixas de poliestireno (isopor). Mesmo pratos ou copos descartáveis ​​feitos de plástico de base biológica ou biodegradável serão proibidos.

A ministra do Meio Ambiente da Alemanha, Svenja Schulze, acredita que a medida “logo levará a produtos e soluções melhores, inovadores e ecologicamente corretos”. Além disso, afirma que “precisamos fugir da mentalidade de jogar fora”. Sobre isso, é importante lembrar da máxima: do ponto de vista da Terra não existe “fora”.

Plásticos na Alemanha

Os itens afetados na proibição são justamente os tipos mais comuns de lixo no país. Segundo dados da Agência Federal do Meio Ambiente (UBA), o país teve um recorde de 18,7 milhões de toneladas de resíduos de embalagens em 2017.

A Alemanha também estima que até 20% do lixo coletado em parques e espaços públicos são plásticos de uso único, principalmente os recipientes de isopor.

A proibição entrará em vigor na Alemanha a partir de 3 de julho de 2021.

Outro anúncio recente feito pelo país é em prol da transição energética para fontes mais limpas. O plano é eliminar o carvão e a energia nuclear. Este último até o final de 2022, enquanto a última usina a carvão deverá ser fechada até 2038.