Dizem que o melhor lugar do mundo é dentro de um abraço e a ciência mostra isso. O toque interpessoal é essencial para os seres humanos, os que apostam nisso desfrutam de melhor saúde física e psicológica, além de melhorar os relacionamentos. Três cientistas da Universidade Carnegie Mellon estão propondo que o toque interpessoal beneficia o bem estar ajudando a amenizar as consequências nocivas do estresse psicológico. Segundo eles, o toque pode ser também um amortecedor particularmente eficaz do conflito interpessoal.

As possibilidades levantadas por Michael Murphy, e as co-autoras Denise Janicki-Deverts e Sheldon Cohen, têm importantes implicações porque os conflitos com os outros estão associados a uma ampla gama de resultados psicológicos e físicos destrutivos. E a generalização de pesquisas anteriores sobre este tópico é limitada porque os estudos se concentravam em grande parte no papel do toque nas relações românticas.

No novo estudo, os pesquisadores entrevistaram 404 homens e mulheres adultos, todas as noites, durante 14 dias consecutivos sobre seus conflitos, abraços, humor positivo e negativo. A conclusão foi que receber um abraço no dia do conflito pode reduzir emoções negativas. E o efeito pode ser prolongado aos dias seguintes.

A hipótese é de que os abraços se amortecem contra mudanças nocivas no afeto associadas à experiência de conflito. Embora mais pesquisas sejam necessárias para determinar possíveis mecanismos, de acordo com os autores, as descobertas sugerem que os abraços podem ser um método simples, mas eficaz, de fornecer apoio a homens e mulheres que estejam sofrendo de angústia interpessoal. Em outras palavras, seu amigo te conta pelo WhatsApp que está mal? Esqueça as palavras de apoio pela internet e corra para abraçá-lo pessoalmente.

“Esta pesquisa está em seus estágios iniciais. Ainda temos dúvidas sobre quando, como e para quem os abraços são mais úteis. No entanto, nosso estudo sugere que abraços consensuais podem ser úteis para mostrar apoio a alguém que esteja em conflito”, afirma Murphy. Aliás, sobre essa questão do abraço consensual, uma pesquisa da Universidade Médica de Viena (Áustria) já revelou que os benefícios acontecem quando abraçamos alguém que gostamos, confiamos ou conhecemos muito bem. Caso o abraço venha sem consentimento, o efeito pode ser contrário, pois o corpo pode liberar cortisol: o hormônio do estresse.

Outros estudos já mostraram que abraçar pode ajudar a reduzir resfriados, reduzir ansiedade e até a pressão arterial. Sabendo de tudo isso, não dá mais para economizar abraços.

O estudo foi publicado na última quarta-feira (3) na revista PLOS ONE.

Jornalista, social media e aparelhada para gostar de passarinhos. Tem interesse por mais assuntos do que é capaz de acompanhar. Aqui escreve sobre infinitas possibilidades de tornar o mundo um pouquinho melhor.