Pesquisadores criaram embriões híbridos de rinocerontes como parte de uma tentativa de  impedir que o rinoceronte branco do norte seja extinto. Os embriões – que agora foram congelados – contêm DNA de rinocerontes brancos do norte (Ceratotherium simum cottoni) e uma subespécie parente próxima. Eles poderão ser implantados para produzir animais que são uma mistura de ambos. O trabalho foi relatado em um artigo da Nature Communications publicado na última quarta-feira (4).

A pesquisa “é um avanço impressionante para todo o campo”, diz a bióloga de células-tronco Jeanne Loring, do Scripps Research Institute, em La Jolla, Califórnia (EUA). Sua equipe espera usar a tecnologia de células-tronco para repovoar os rinocerontes.

Uma vítima da caça furtiva, a população de rinocerontes brancos do norte está agora reduzida a apenas duas fêmeas, tornando-se o mamífero mais ameaçado do planeta. No início deste ano, o Sudão, o último macho da subespécie, morreu de doença relacionada à idade (embora seu esperma tenha sido preservado). Sua filha Najin e sua filha Fatu moram em Ol Pejeta Conservancy no Quênia. Najin tem lesões nas pernas que a impedem de engravidar, e Fatu tem problemas de fertilidade que impedem a implantação dos embriões no útero. Veja a história aqui.

Inovação versus extinção

A extinção do rinoceronte branco do norte pareceria inevitável. No entanto, uma equipe liderada por Cesare Galli, um veterinário e embriologista da Avantea, um laboratório de biotecnologia em Cremona, na Itália, pode ter dado ao animal uma segunda chance. Galli e seus colegas desenvolveram uma técnica para extrair óvulos de rinocerontes fêmeas e fertilizá-los para gerar embriões viáveis ​​potencialmente capazes de se tornarem animais.

Em vez de testar o procedimento – que envolve um anestésico de risco – em Najin e Fatu, os pesquisadores coletaram óvulos de 12 rinocerontes-brancos (Ceratotherium simum simum), uma subespécie intimamente relacionada, cujo número é de cerca de 20 mil na África Austral.

De 13 óvulos injetados com esperma de um rinoceronte branco do norte, hoje falecido, quatro se desenvolveram em blastocistos ou embriões precoces. Esses blastocistos “híbridos”, que contêm genes de ambas as subespécies, podem ser congelados e depois implantados em um substituto para produzir descendentes híbridos. Esses híbridos poderiam garantir que parte do DNA do rinoceronte branco do norte fosse preservado.

Os pesquisadores injetaram 17 outros óvulos com espermatozóides de um rinoceronte-branco-do-sul, para produzir três blastocistos de rinocerontes brancos do sul “puros”.

Para testar a saúde dos blastocistos, a equipe gerou linhas de células-tronco de dois dos embriões puros. Estes mostraram todos os sinais de células estaminais embrionárias saudáveis, sugerindo que os embriões a partir dos quais foram gerados seriam viáveis ​​uma vez implantados.

Expandir e diversificar

O próximo passo será colher óvulos de Najin e Fatu, fertilizá-los com esperma de rinoceronte branco do norte e implantar os embriões resultantes em um substituto branco do sul – com o objetivo final de ter o primeiro rinoceronte branco do norte nascido dentro de três anos.

No entanto, a descendência deste esforço careceria da diversidade genética para sustentar uma população selvagem saudável de rinocerontes brancos do norte, diz Galli. Uma via melhor, mas mais desafiadora, é usar tecido congelado de um grupo mais amplo de rinocerontes brancos do norte para gerar células-tronco que têm a capacidade de se transformar em óvulos e espermatozóides.

Em 2011, Loring e seus colegas produziram essas células, chamadas de células-tronco pluripotentes induzidas (iPS), da pele de Fatu. Desde então, Loring e sua equipe criaram mais 4 linhas de células iPS de tecido de rinoceronte branco do norte armazenado no Instituto de Pesquisa de Conservação do Zoológico de San Diego, na Califórnia.

Em maio, os pesquisadores mostraram que esse tecido – que vem de 12 rinocerontes masculinos e femininos – contém diversidade genética suficiente para ajudar a salvar esses animais gigantes. “Esperamos ter células que se parecem com espermatozóides e óvulos em um ano”, diz Loring, “mas ainda há muitos desafios pela frente”.

Humanos versus natureza

“Seria fantástico ver o rinoceronte branco do norte de volta ao seu habitat natural”, diz Stuart Pimm, biólogo de conservação da Duke University, em Durham, Carolina do Norte. No entanto, ele está preocupado que a causa subjacente da quase extinção dos rinocerontes não tenha sido tratada.

“Vamos celebrar esse esforço, mas mantenha-o em perspectiva”, diz Pimm. “Ainda vivemos em um mundo em que perdemos um número enorme de rinocerontes para a caça furtiva e, se tivermos alguma chance de colocar seus descendentes de volta à vida selvagem, teremos que impedir que eles sejam mortos após serem libertos na natureza”.

Foto da capa: Andrew Harrison Brown da Ragtag Tribe Films, que filmou a história de Sudão. Mais fotos aqui.