Todo ano, oito toneladas de plástico vão parar no mar. Desse total, boa parte é de haste flexível com pontas de algodão. Os cotonetes, como são conhecidos comumente, acabam sendo deixados de lado na hora da separação do lixo reciclável, ou pior, são jogados junto com outros tipos de lixo que vão parar em aterros sanitários, córregos, rios, e enfim no mar.

Por ser pequeno, o cotonete pode ser erroneamente confundido como algo inofensivo à natureza, mas esse engano pode ser desastroso. Na Europa é comum que as hastes flexíveis usadas sejam descartadas no vaso sanitário, pois muitos acreditam que serão recolhidas em algum processo do tratamento de esgoto. No entanto, os cotonetes passam pelos canos e vão parar no mar. As aves ou animais marinhos, por sua vez, ingerem este plástico por conta de seu pequeno tamanho. 

Escócia proíbe hastes flexíveis de plástico

Segundo o Green Savers, cotonetes são alguns dos resíduos mais presentes nos mares e o descarte deste material na rede de esgoto aumenta a poluição das águas. A estimativa é que o plástico nos mares cause a morte de 100 mil animais marinhos por ano.

Pensando nisso, a Escócia desenvolveu diversas campanhas de conscientização para a população parar de jogar cotonetes nas privadas. Como não obteve sucesso com estas campanhas, o governo foi firme na decisão de proibir a comercialização do produto com haste de plástico, em favor das que usem tubos de papel biodegradável em sua composição. A decisão está em vigor desde março deste ano e a estimativa é que esta ação ajude a diminuir a poluição plástica no país pela metade.

“Cotonetes” biodegradáveis

As hastes de plástico podem ser recicladas, contanto que o algodão seja removido e o tubo seja descartado corretamente. Porém, uma opção para os clássicos cotonetes produzidos com plástico é o produto feito com papel reciclável e biodegradável. Ele pode ser reutilizado, evita o corte de novas árvores e ainda economiza água e energia. Os tubos biodegradáveis também se decompõem mais rápido na natureza quando descartados.

No Brasil já é possível encontrar hastes biodegradáveis. A marca Affagio, por exemplo, desenvolveu a linha Eco que oferece o produto com tubo de papel reciclável e pontas de algodão espiral que facilitam o uso. A Needs também tem o produto disponível em uma linha do mesmo nome. Ambos os produtos são produzidos pela PHC.

Vale lembrar desta foto tirada por Justin Hofman, na Indonésia. Ela viralizou em 2017 e rendeu um prêmio ao fotógrafo.

A post shared by CicloVivo (@ciclovivo) on