Inicio Desenvolvimento Cidades de SP são impedidas de transformar lixo em energia

Desenvolvimento

Cidades de SP são impedidas de transformar lixo em energia

Sem apresentar documentação necessária, cidades do Alto Tietê não podem ter uma usina termelétrica, que seria uma alternativa a um aterro sanitário previsto para ser instalado no local.

6 de agosto de 2013 • Atualizado às 10 : 01
Cidades de SP são impedidas de transformar lixo em energia

4.25K
0

As cidades paulistas de Mogi das Cruzes, Arujá, Biritiba Mirim, Guararema, Salesópolis e Suzano, lutam pela instalação de uma usina de queima de lixo como alternativa a um aterro sanitário, que seria construído em Mogi.  Entretanto, a instalação da usina ainda não foi aprovada. Assim, além de gerar energia limpa, a medida seria uma maneira mais eficiente e menos poluente do que o projeto do aterro de Mogi das Cruzes, criticado por ambientalistas e pela população local.

A solicitação de construção foi negada porque nenhum dos municípios apresentou a tempo o Plano Municipal de Gestão de Resíduos, diretriz fundamental para a construção da usina termelétrica, viabilizada para ser erguida em Mogi – município que preparou o documento, mas não pôde apresentá-lo às autoridades em função do recesso da Câmara Municipal.

A mesma situação ocorreu com Biritiba Mirim, que já possui o Plano de Gestão de Resíduos. Em nota, a prefeitura da cidade disse que o plano foi elaborado e concluído, e aguarda apenas o retorno do  recesso da Câmara Municipal para as devidas providências. As demais cidades não concluíram o Plano Municipal de Gestão de Resíduos, e enviariam o lixo produzido para o aterro de Mogi das Cruzes.

Na última quarta-feira (31), os integrantes do Movimento Aterro Não, Usina Sim organizaram uma reunião com a presidente da Sabesp, Dilma Pena, pedindo esclarecimentos sobre a realização do projeto. "A presidente aguarda a elaboração do Plano Municipal de Resíduos Sólidos. Ela deixou bem claro que, por causa disso, o projeto para implantação da termoelétrica em Mogi não avançou”, afirmou ao G1 Sílvio Marques, que esteve na reunião.

Coordenado pela empresa Queiroz Galvão, o projeto de construção do aterro sanitário em Mogi das Cruzes teve início em 2003. A população local se mobilizou para evitar a construção do depósito de resíduos, chegando a criar uma lei de iniciativa popular. O projeto não recebeu licenciamento ambiental por causa de inviabilidade.

Redação CicloVivo

 

(4246)

logo
Fechar
Abrir
logo