Catadores de recicláveis ganham triciclos elétricos em São Paulo

Modelos doados pela Nestlé foram desenvolvidos especialmente para a coleta, com cesto para 150kg de recicláveis e sinalizações de segurança

nestlé triciclos recicláveis

Para marcar o Mês do Meio Ambiente e o Dia Mundial dos Oceanos, a Nestlé lançou um projeto piloto com o uso de triciclos elétricos por catadores de recicláveis em São Paulo. Serão doadas quatro unidades para a fase experimental com catadores que atuam por meio do Cataki, aplicativo que conecta catadores a quem tem recicláveis para coletar.

O modelo foi desenvolvido especialmente para a coleta e prioriza o espaço para os recicláveis, com um cesto aramado que comporta até 150 kg de carga, além de todas as sinalizações de segurança, como buzina, retrovisor e adesivos refletores nas laterais e na traseira. Os catadores utilizarão kits de segurança, como capacete, luvas, camisetas, calças e coletes com faixa refletiva, além itens de prevenção ao Covid-19, entre eles álcool em gel, álcool líquido, borrifador e máscaras.

“Este ano, em razão do atual cenário e da inviabilidade de promover alguma ação na rua para marcar a data, a decisão foi fortalecer os catadores, que são os responsáveis pela coleta na cidade, onde começa a conscientização em prol do meio ambiente e da proteção dos oceanos. Essa doação dos primeiros triciclos antecede um projeto maior para mudar a realidade dos catadores de recicláveis”, diz Taissara Martins, gerente de Criação de Valor Compartilhado da Nestlé Brasil.

Doação simbólica

Essa doação é o pontapé inicial em uma ação maior para motorizar os catadores, auxiliando no dia a dia da categoria. A Nestlé anunciou também a entrada, como apoiadora e financiadora, no projeto Carroças do Futuro, desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Pimp my Carroça e Instituto Clima e Sociedade.

O objetivo é a criação de um protótipo de triciclo adaptado, baseado no uso de energia renovável, baixo custo e potencial de escalabilidade, de forma a prevenir e mitigar os problemas de saúde dos catadores, favorecendo também a geração de renda. Está em desenvolvimento também o aprimoramento de um primeiro protótipo, feito em 2019, uma carroça com motor elétrico movido a energia solar. Ambos serão entregues até o fim deste ano.

“Os catadores coletam cerca de 90% de tudo que é reciclado no Brasil e precisamos cuidar para que trabalhem em condições melhores. Essa doação de hoje é um passo importante para um projeto muito mais amplo que pode mudar a realidade dos catadores nas ruas e, com isso, beneficiar toda a sociedade, pois temos um papel primordial na questão ambiental”, diz Mundano, fundador do Pimp my Carroça.