Inicio Vida Sustentável 4 dicas para quem quer ser vegetariano mas ama carne

Vida Sustentável

4 dicas para quem quer ser vegetariano mas ama carne

Este é o caso da australiana Tracy Spark. Ela era apaixonada por carne, mas há trinta anos decidiu ser vegetariana.

16 de janeiro de 2017 • Atualizado às 19 : 06
4 dicas para quem quer ser vegetariano mas ama carne

Ser vegetariano não é sempre fácil, mas vale a pena. | Foto: iStock by Getty Images

8.69K
1

Há inúmeras razões pelas quais as pessoas deixam de comer carne. Alguns realmente não apreciam o sabor ou o cheiro, mas outros amam carne e apenas decidem optar por uma dieta vegetariana ou vegana por motivos ideológicos. Este é o caso da australiana Tracy Spark. Ela era apaixonada por carne, mas há trinta anos, após ver um documentário sobre os maus-tratos sofridos por animais na indústria da carne, decidiu mudar sua vida radicalmente.

Não foi fácil. Ela tinha acabado de casar e vinha de um histórico com pouca experiência na cozinha, pouco dinheiro e o costume de ter carne incluída em todas as refeições. Mas, essa iniciação culinária foi boa, porque ela acabou gerando mais curiosidade e uma busca constante por novas dicas e receitas.

Tracy compartilhou a sua experiência em começar uma nova dieta no site One Million Women, com algumas sugestões para quem quer seguir este mesmo caminho. Veja abaixo algumas dicas dadas por ela:

  1. Evite carnes congeladas

“O conselho dado provou ser muito útil para mim – basicamente consiste em boicotar carne congelada sempre que possível, caso contrário, limitar e reduzir”, diz a australiana. Ela explica os motivos para isso: “Aqui as questões são limitar o sofrimento dos animais e evitar produtos que apoiem a crueldade.”

É de conhecimento comum que os frangos de grandes granjas, usados para venda em grande escala, sejam congelados ou industrializados, passam a vida em gaiolas minúsculas e recebem doses exorbitantes de hormônios. Com o gado também não é muito diferente. Então, quem quer deixar de comer carne pode começar evitando os congelados. Com o tempo, a busca por carne fresca vai diminuindo naturalmente.

  1. Invista em livros de receita de qualidade

No começo da experiência e da transição de dietas, Tracy explica que ela e o marido não se preocupavam muito com os detalhes da nutrição. Ambos estavam saudáveis e eles ainda comiam esporadicamente refeições com carne. Mas, à medida que a gama de receitas vegetarianas foi crescendo, o uso da carne foi diminuindo, até que ela comece uma vez por semana, depois quinzenalmente, uma vez por mês e parasse totalmente.

Em pouco tempo, quando ela tentava comer carne, o corpo simplesmente já não recebia o alimento tão bem. Mas, tudo isso só foi possível graças às novas receitas, saborosas e nutritivas.

  1. Variedade é o tempero da vida

O próximo passo foi se dedicar ao aprendizado sobre os nutrientes dos alimentos em comidas vegetarianas. Tracy não fez nenhum curso, mas mergulhou de cabeça em livros sobre vegetarianismo. Ela buscou aprender mais sobre a ciência das proteínas e como as vitaminas ajudam o corpo a absorver nutrientes. Com isso em mente, a australiana passou a buscar receitas com essa base nutricional em diferentes tipos de culinária. As refeições passaram a ser variadas, pratos típicos da Índia, China, Grécia, Oriente Médio e muito mais ajudaram a família a ganhar uma dieta vegetariana mais equilibrada.

Foto: iStock by Getty Images

Foto: iStock by Getty Images

  1. Nem sempre é fácil, mas um exemplo vale mais do que mil palavras

Tracy comenta que ser vegetariano não é sempre fácil. Sentir o cheiro de bacon nos primeiros dias é uma tentação. Às vezes, se você gosta muito de carne, pode acontecer de dar umas escapadas na dieta. Além disso, ter que lidar com a curiosidade constante e questionamentos de quem está de fora pode ser um pouco chato. Repetir as mesmas coisas centenas de vezes cansa, mas lembre-se sempre do que te motivou a mudar. “Revisite as razões que o fizeram tão apaixonados a ponto de estar disposto a desistir de uma carne assada. Sinta-se bem porque as ações falam mais alto do que as palavras”, aconselha. A australiana ainda ressalta que essas conversas com curiosos ajuda a aumentar a consciência das pessoas sobre a crueldade animal e as causas ambientais.

Redação CicloVivo

 

(8686)

logo
Fechar
Abrir
logo