Final de ano é sinônimo de festas, confraternização entre amigos, colegas  de trabalho e família. Muitas destas ocasiões envolvem a troca de presentes e o mesas fartas, muita comida e bebida para celebrar o ano que termina e a chegada de um novo ano.

O Natal é um momento em que tudo isso está presente: estar com pessoas que fazem parte da nossa vida, comer, beber e presentear. Os exageros desta época do ano são comuns e, infelizmente, eles trazem um impacto negativo, para a saúde, para as finanças pessoais e também para o planeta.

A produção de bens e serviços implica em consumo de recursos naturais como água, energia, matéria-prima, além da emissão de efluentes e geração de resíduos. Durante esse processo são gerados diversos impactos ambientais negativos, que muitas vezes são “invisíveis”.

Um celular, por exemplo, emite mais de 30kg de CO2e em sua produção, além do consumo de quase 1 mil litros de água e mais de 4.500kWh de energia. Quem compra um desktop, está comprando um produto que consumiu até 10 mil litros de água em sua produção e, se a escolha for uma geladeira, estamos falando da emissão de quase 400kg de CO2. Peças de roupa também têm um impacto significativo. Uma calça jeans, por exemplo, usa quase 4 mil litros de água na sua produção.

O consumo de água na produção de alimentos também é bastante alto: são usados cerca de 300 litros por quilo de vegetais, mil litros por quilo de leite e até 15,5 mil litros por quilo de carne bovina.

Festejar com consciência

presentes de natal
iStock

Aproveitar estes momentos é ótimo – e necessário. Mas é possível encontrar opções de consumo que sejam menos prejudiciais para você, para a sociedade e para o meio ambiente.

A compra de um novo bem está associada a um processo maior de produção, dividido em várias etapas e que, por sua vez, gera impactos negativos no meio ambiente, como consumo de recursos (água e energia); mudança no uso de terra, prejudicando não só as espécies que antes ali habitavam, como também comunidades locais que dependiam dela para sua sobrevivência. Há também a emissão de gases de efeito estufa (GEE) no processamento e transporte; além da geração de resíduos que acabam indo parar em aterros.

No momento da compra, existem algumas perguntas que podem ajudar a fazer escolhas de maneira mais consciente. Estas perguntas foram elaboradas pelo Instituto Akatu, ONG que é referência em conscientização e mobilização da sociedade para o consumo consciente.

  1. Por que comprar? Você realmente precisa comprar ou está sendo levado por um impulso do momento? Pense se você, ou a pessoa que você quer presentear, já não tem o suficiente. Uma boa alternativa é, em vez de comprar, fazer uma troca ou uma doação.
  2. O que comprar? Pense sobre as necessidades que aquele produto ou serviço vai atender e leve em consideração os impactos associados ao produto na hora da seleção.
  3. Como comprar? É hora de pensar sobre as formas de pagamento e sobre a logística dessa compra. É melhor para comprar vista ou a prazo? Como vai buscar e levar as mercadorias, de forma a ter o menor impacto negativo possível?
  4. De quem comprar? Sempre que puder, acompanhe notícias de fontes confiáveis e tente descobrir informações sobre as empresas que fabricam e vendem o produto ou serviço: verifique se há cuidado no uso dos recursos naturais, se os funcionários são respeitados. Comprar de produtores locais, próximos à você, é uma maneira de fortalecer a economia local e evitar emissões de GEE no transporte destes produtos.
  5. Como usar? Quando você leva o produto para casa, é preciso dar uma vida longa a ele. Cuide para estender ao máximo a vida útil daquilo que você compra. Assim você evita os impactos associados à fabricação, o transporte e o descarte de outros produtos.
  6. Como descartar? Aquilo que não tem mais utilidade para você pode ser reformado ou pode ser interessante para outra pessoa. Se isso não for mais possível, é preciso fazer um descarte adequado. Veja se o material pode ser encaminhado para a reciclagem ou se exige descarte especial.

“Temporada” de compras começa cada vez mais cedo

Muito popular nos Estados Unidos, a Black Friday chegou ao mercado brasileiro. Em 2014 somente 27% dos brasileiros tinham conhecimento da Black Friday, enquanto que, em 2018, este número subiu para 99,5%.

A data dá início à uma temporada de compras que começa no final de novembro e se estende até o início do próximo ano – além da Black Friday temos a Cyber Monday, o 13º salário, o Natal, o Ano Novo e o saldão pós-réveillon.

Sustentabilidade financeira

sustentabilidade financeira

Para que a alegria do Natal não se transforme em preocupação, é preciso planejar compras e gastos. A saúde financeira é parte de uma vida sustentável e tem impacto na nossa saúde mental e emocional.

Alguns passos podem ajudar quem vai comprar presentes no Natal. O primeiro é definir o limite do quanto pode ser gasto, sem que este valor prejudique a economia pessoal nos próximos meses – fazer uma lista com o quanto pode ser gasto e quais pessoas vão ser presenteadas, ajuda bastante.

Antes de sair para comprar, faça pesquisas online. Elas poupam tempo e energia e quando você estiver nas lojas escolhendo os produtos, vai saber qual a faixa de preço justa para cada item. Se houver a possibilidade de pedir um desconto, peça. Muitas vezes os vendedores têm uma margem de negociação, principalmente para pagamentos à vista.

Se optar por parcelar as compras, coloque todas as parcelas que está assumindo em uma planilha. Isso ajuda a dar uma noção real do gasto que as compras parceladas vão ter no orçamento daqui para a frente. A soma de parcelas consideradas pequenas pode ser grande e comprometer sua vida financeira ao longo dos meses.

Em janeiro, as liquidações pós-festas são bastante comuns e é possível encontrar produtos por preços bem menores. Se a compra for para outra pessoa, converse e veja se o presente não pode esperar um pouco.

Comida e bebida na medida certa

ceia de natal

As refeições desta época do ano também merecem atenção especial. Fartura, muitas vezes se transforma em desperdício. É importante saber quantas pessoas vão estar presentes e calcular a quantidade de comida e bebida certa para cada ocasião.

A produção de alimentos têm um impacto ambiental significativo e comprar além do necessário, amplia ainda mais este impacto. O Brasil é um dos países do mundo em que mais se desperdiça alimentos – estimasse que o desperdício mundial chegue a 1/3 de toda a produção.

Para as ceias, além do controle em relação à quantidade, comprar de produtores locais e dar preferência a produtos orgânicos é outra maneira de diminuir o impacto ambiental da festa.

Os resíduos orgânicos (restos de alimentos) também podem ser encaminhados para a compostagem, diminuindo o volume de material levado aos aterros e transformando este material em adubo. Quem não tem composteira em casa, pode contatar empresas especializadas em recolher e compostar resíduos orgânicos.

Nota do CicloVivo

Existem muitas maneiras de demonstrar afeto e celebrar os bons momentos da vida com quem gostamos. É possível tornar esta época do ano ainda mais especial, com atitudes e escolhas que além de fazer bem para a gente e para a nossa família, façam bem para o planeta em que vivemos.

Boas festas!

natal
Foto: iStock by GettyImages