“Santinhos” nas ruas evidenciam desrespeito aos eleitores e meio ambiente

Em dia de votação os panfletos políticos conseguem deixar as ruas mais sujas do que já são de costume. A situação, que se repete a cada eleição, pôde ser conferida ainda na manhã desta segunda-feira (8).

Em dia de votação os panfletos políticos conseguem deixar as ruas mais sujas do que já são de costume. A situação, que se repete a cada eleição, pôde ser conferida ainda na manhã desta segunda-feira (8).

A sujeira, principalmente, em frente às zonas eleitorais causou repulsa em muitos eleitores. Em protesto, uma das atitudes mais interessantes ocorreu na cidade de Guarulhos, em São Paulo. A população colocou os “santinhos” na porta da Câmara e dois cartazes com os dizeres: “Onde está a sustentabilidade?” e “Devolvendo o que vos pertence”.

O acúmulo de papeis foi visto, principalmente, em frente às escolas e nas ruas próximas. A ação dos candidatos ainda desrespeita a proibição de fazer propaganda eleitoral, seja por meio de distribuição de santinhos ou o pedido verbal de votos, nos entornos dos locais de votação.

Além da poluição, a quantidade de papel no chão dificultou a locomoção das pessoas. A reportagem do Uol noticiou a queda de quinze idosos já nas primeiras quatros horas de votação em Campinas, São Paulo. Os acidentes foram registrados pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

O destaque para as cidades que se livraram dos santinhos foi noticiado pelo Diário de Cuiabá, jornal mato-grossense. Pelo menos cinco municípios amanheceram limpos e foram considerados como cidades-modelo pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral). No Mato Grosso houve uma campanha intensa em favor de uma cidade menos poluída. A ação mostrou-se um sucesso com o slogan “Candidato que joga santinhos na rua não respeita a sua cidade”.

Em muitas cidades as eleições 2012 já foram decididas. Resta solucionar este grave problema de desperdício de papel que se repete a cada eleição. A situação é apenas uma das muitas atitudes que representam o descompromisso dos candidatos em relação à população e à natureza.

Redação CicloVivo