Migração de 17 milhões de insetos é registrada por cientistas

Quase 90% dos insetos eram polarizadores, fundamentais para a diversidade genética de plantas em regiões de vegetação fragmentada

libélula
Foto: kalai venthan gopal na Unsplash

As aves, algumas espécies de peixes e outros animais são conhecidos por realizarem grandes migrações. Mas, os insetos também fazem parte dessas espécies. Um novo estudo revelou que 17,1 milhões de insetos viajam todos os anos através de uma abertura de 30 metros no Passo de Bujaruelo, entre dois picos dos Pirenéus, na fronteira entre Espanha e França.

Durante quatro anos, uma equipe de cientistas da Universidade de Exeter visitou a passagem para monitorar o grande número de espécies de insetos voadores diurnos que se dirigiam para o sul.

“No outono de 1950, David e Elizabeth Lack encontraram por acaso uma enorme migração de insetos e pássaros voando através da passagem de Bujaruelo, da França para a Espanha, descrevendo mais tarde o espetáculo como uma combinação de grandeza e novidade. Nos anos que se seguiram, assistimos a muitas mudanças no uso da terra e no clima, levantando a questão sobre o estado atual deste fenômeno migratório”, escreveram os autores no estudo em um comunicado.

migração insetos Pirineus
Todos os anos, 17 milhões de insetos migram através de uma passagem dos Pirenéus com 30 metros de largura. Foto: Will Hawkes | CC BY-ND

“Os números neste único local sugerem os prováveis ​​milhares de milhões de insetos que atravessam toda a cordilheira dos Pirenéus anualmente, e destacamos a importância desta rota para as migrações sazonais das espécies”, ressaltaram os pesquisadores.

Os insetos que migram ao longo desta rota bem estabelecida iniciam a sua viagem no Reino Unido e em outras partes do norte da Europa. “Elizabeth e David Lack testemunharam números notáveis ​​de moscas flutuantes migrando pelas montanhas, o primeiro caso registrado de migração de moscas na Europa. Em 2018, fomos para a mesma passagem para ver se essa migração ainda ocorria e para registrar os números, espécies, condições climáticas, papéis ecológicos e impactos dos migrantes”, disse Will Hawkes, pesquisador do Centro de Ecologia e Conservação da Universidade de Exeter e principal autor do estudo.

Para tornar a migração ainda mais impressionante é importante ressaltar que os milhões de insetos atravessam uma passagem montanhosa de 30 metros. Os insetos voam pelas montanhas em suas viagens do norte da Europa até a Espanha e outros lugares durante o inverno.

migração de insetos Pirineus
Imagens: Proceedings of the Royal Society B

Os pesquisadores fizeram contagens de pequenos insetos usando uma câmera de vídeo e contagens visuais de borboletas. Para identificar espécies migratórias, eles usaram uma armadilha de interceptação de voo.

“O que descobrimos foi realmente notável”, observou Hawkes. “Não só um grande número de moscas da marmelada ainda migrava pela passagem, mas muitas outras espécies percorriam esse caminho. Houve alguns dias em que o número de moscas ultrapassava os 3 mil indivíduos por metro, por minuto”.

“Ver tantos insetos se movendo propositalmente na mesma direção e ao mesmo tempo é realmente uma das grandes maravilhas da natureza”, disse o Dr. Karl Wotton, líder da equipe e coautor do estudo.

O número de insetos atingiu o pico durante condições ensolaradas, secas e quentes, quando a velocidade do vento era baixa e havia vento contrário. Isso manteve os insetos voando baixo sobre a passagem, facilitando sua contagem.

“A combinação de montanhas de alta altitude e padrões de vento torna o que normalmente é uma migração invisível de alta altitude neste espetáculo incrivelmente raro observável ao nível do solo”, explicou Wotton.

A maior parte do número total de insetos – 90% – eram moscas, embora tenha sido observada uma variedade de espécies. Embora as libélulas e as borboletas sejam espécies migratórias bem conhecidas, elas representavam menos de 2%. Muitos dos insetos migratórios eram “moradores de jardins”, como moscas domésticas, pequenas moscas da grama e a borboleta branca do repolho.

migração de insetos
Espécies que realizam a migração. Fotos: Proceedings of the Royal Society B

“Foi mágico. Eu varria minha rede pelo ar aparentemente vazio e ela estaria cheia das menores moscas, todas viajando nesta migração inacreditavelmente enorme”, observou Hawkes.

Quase 90% dos migrantes eram polinizadores que transportam material genético por longas distâncias, migrando entre populações de plantas, o que melhora a saúde da fauna. Eles também transportam nitrogênio, fósforo e outros nutrientes e auxiliam na decomposição. Muitas espécies são “controladoras de pragas”, como moscas que se alimentam de larvas de pulgões.

Acredita-se esses importantes insetos migradores estejam em declínio devido à perda de habitat e às alterações climáticas.

“Ao difundir o conhecimento destes migrantes notáveis, podemos espalhar o interesse e a determinação para proteger os seus habitats”, disse Hawkes. “Os insetos são resilientes e podem se recuperar rapidamente. Juntos, podemos proteger estes migrantes mais notáveis ​​de todos.”

O estudo, Os migrantes mais notáveis ​​– análise sistemática da rota de fuga de insetos da Europa Ocidental em uma passagem montanhosa dos Pireneus, foi publicado na revista Proceedings of the Royal Society B.