Viver uma experiência lúdica e poder usar os resultados na própria mesa é a proposta do Mushgarden. O kit desenvolvido pela empresa possui uma caixa com compostos orgânicos para cultivar cogumelos e um borrifador de água, que viram instrumentos para incentivar hábitos sustentáveis e a alimentação saudável.

Depois de fazer um furo na embalagem e umidificar diariamente, o shimeji começa a brotar entre uma e três semanas. Após cinco dias, ele já pode ser colhido. Em média, são feitas três colheitas, que geram até 800 gramas da iguaria. Para fechar o ciclo ecológico, o conteúdo da embalagem pode ser utilizado como adubo orgânico em hortas e vasos de plantas. “Queremos oferecer uma atividade prazerosa para pais e filhos compartilharem juntos uma brincadeira educativa e sustentável”, explica Francisco Brianezi, criador do Mushgarden.


Foto: Divulgação / Mushgarden

Para os chefs de cozinha, a vantagem é criar os próprios cogumelos de maneira simples e poder degustá-los. “Além disso, o shimeji é um dos alimentos preferidos pelos vegetarianos e adeptos da alimentação orgânica, um público que, muitas vezes, prefere produzir a própria comida”, lembra Brianezi.

A empresa disponibiliza também minikits que fazem a vez de lembrancinhas em festas e eventos em geral. Há ainda a possibilidade de customizar o item com imagens e logomarcas. “É um brinde criativo tanto para festas, quanto para empresas”, sugere o criador do Mushgarden.


Foto: Divulgação / Mushgarden

O empreendedor conta que a ideia surgiu quando automatizava a produção de uma fazenda de cogumelos. “Aprendi as melhores práticas de cultivo e, com o passar dos anos, fui aperfeiçoando a técnica”, conta. Depois de tomar conhecimento de um produto semelhante que fazia sucesso nos Estados Unidos, o analista de sistemas decidiu criar o primeiro kit para a produção doméstica do alimento no Brasil.

O produto pode ser encontrado no site da Mushgarden por R$ 44,90 ou nos principais mercados de produtos naturais do país.

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.