concreto conchas
Fotos: Newtab-22
- Publicidade -

Por Kym Souza | Casa.com

A empresa Newtab-22 usou conchas do mar, recolhidas das indústrias de frutos do mar e aquicultura, para desenvolver um material sustentável que se assemelha ao concreto. Batizado de Sea Stone, o material é feito de conchas trituradas com aglutinantes naturais não tóxicos. Isso confere à Sea Stone uma estética semelhante ao granito.

De acordo com Newtab-22, o Sea Stone pode se tornar uma alternativa sustentável ao concreto no projeto de produtos de pequena escala, já que os dois materiais compartilham propriedades semelhantes. Isso ocorre porque as conchas são ricas em carbonato de cálcio, também conhecido como calcário, que é usado para fazer cimento.

- Publicidade -

A Sea Stone sugiu do desejo da companhia de ajudar a aliviar o problema do desperdício na indústria de frutos do mar, que afirma resultar em 7 milhões de toneladas de conchas descartadas a cada ano. A maior parte desses resíduos é direcionada a aterros ou é despejada nas praias.

“Embora uma parte das conchas do mar sejam recicladas e usadas como fertilizantes, a maioria delas está sendo jogada em aterros sanitários ou à beira-mar”, explicou a Newtab-22.

“As conchas do mar descartadas, que estão sujas ou podres, não foram removidas e estão se acumulando perto da praia há muito tempo, poluindo a terra ao redor a longo prazo”, continuou o estúdio. “A Sea Stone propõe o uso de conchas do mar descartadas para criar material ambiental e economicamente sustentável, em vez de contribuir para o problema mundial do lixo.”

Como funciona

O processo para se fazer o Sea Stone envolve triturar as cascas e misturá-las com aglutinantes naturais. Eles são, então, adicionados a um molde e deixados para solidificar em peças semelhantes ao concreto. Atualmente, esse método é realizado manualmente para evitar o uso de tratamentos térmicos, elétricos e químicos e garantir que o processo seja o mais sustentável e acessível possível.

Isso resulta em variações nos tamanhos, texturas e cores dos fragmentos de conchas e significa que cada pedaço de Sea Stone é único. As diferenças também podem ocorrer alterando as quantidades de cascas e aglutinantes ou adicionando corantes coloridos.

Atualmente, o “concreto de conchas” está sendo desenvolvido para fins comerciais e até agora tem sido utilizado na fabricação de produtos como ladrilhos decorativos, tampos de mesa, pedestais e vasos. No entanto, não estará disponível como uma alternativa concreta para projetos estruturais ou de grande escala.

Enquanto as propriedades do concreto e do Sea Stone são semelhantes, para replicar realmente a força do concreto tradicional necessária em projetos de grande escala, como edifícios, seria preciso um processo de aquecimento de energia intensa. Isso seria comparável ao método usado para fazer cimento, que responde por metade de todas as emissões de CO₂ que resultam do uso do concreto.

O interesse da Newtab-22 em usar materiais descartados se desenvolveu enquanto seus fundadores, Choi e Jihee Moon, estavam matriculados no curso de Produtos de Design do Royal College of Art, universidade em Londres, no Reino Unido. A dupla mudou-se agora para Seul, na Coreia do Sul, para continuar desenvolvendo o projeto, uma vez que afirmam que o problema dos resíduos de frutos do mar é comum no país.

Leia também:

Pesquisadoras criam bioconcreto usando ervas daninhas

Micologista desenvolve tijolo de cogumelos mais resistente que concreto

- Publicidade -