Inicio Meio Ambiente Inverno no Ártico e Verão na Antártida batem novos recordes

Meio Ambiente

Inverno no Ártico e Verão na Antártida batem novos recordes

Houve alteração recorde da calota de gelo marinha para ambos os hemisférios.

23 de março de 2017 • Atualizado às 14 : 38

Apesar de opostos, estes dois pólos comungaram de um mesmo fenómeno: níveis de gelo baixos. | Foto: Pixabay

Inverno no Ártico e Verão na Antártida batem novos recordes
791
0

A chegada do Outono no hemisfério Sul e da Primavera no hemisfério Norte é também a época em que é possível avaliar a extensão máxima da calota de gelo alcançada durante o inverno no Ártico e o encolhimento ocorrido na Antártida durante o verão. Apesar de opostos, estes dois pólos comungaram de um mesmo fenómeno: níveis de gelo baixos.

Na última quarta-feira (22), o Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo (NSIDC, na sigla em inglês) anunciou uma alteração sazonal recorde da calota de gelo marinha para ambos os hemisférios. A extensão do gelo marinho do Ártico atingiu seu máximo no inverno em 7 de março, com 14,42 milhões de quilômetros quadrados. A extensão do gelo do mar da Antártida atingiu seu mínimo de verão em 3 de março, com 2,11 milhões de quilômetros quadrados. Em ambos os hemisférios, as extensões foram as mais baixas para a temporada em38 anos de registros de satélite.

A extensão do gelo do mar do Ártico a partir de março de 2017 superou os recordes anteriores de retração no inverno: a de 2015, de 14.517 milhões de quilômetros quadrados, e a 2016, de 14.52 milhões de quilômetros quadrados.

Estes recordes de retração na calota de gelo marinha continuaram uma trajetória que se tornou aparente no final de 2016, quando ambos os hemisférios experimentaram baixas extensões bem fora do intervalo de variabilidade esperado. Mas as baixas extensões nos hemisférios norte e sul não significavam necessariamente a mesma coisa.

Foto: Pixabay

As extensões de gelo do mar do Ártico têm seguido uma trajetória descendente constante desde o início do século XXI, ao mesmo tempo em que as temperaturas globais atingiram novos recordes. Além de estabelecer vários recordes de extensões mínimas no verão, o gelo do mar do Ártico começou a exibir um padrão de baixa recuperação no inverno, começando por volta de 2004.

Na Antártida, porém, a situação é diferente, e não houve uma tendência clara. Dois anos e meio antes de atingir um nível recorde, o gelo do mar da Antártida estabeleceu uma extensão recorde. O principal cientista do NSIDC, Ted Scambos, suspeita que o gelo marinho antártico pode ser menos afetado pela tendência climática global e estar mais estreitamente ligado a mudanças climáticas regionais de curto prazo no Oceano Antártico.

A combinação de baixas extensões nos hemisférios do Norte e do Sul em março de 2017 colocou o gelo do mar global na sua menor extensão ou no seu nível mais baixo no registro de satélite para esta época do ano.

(791)

logo
Fechar
Abrir
logo