Foi o poeta Mario Quintana quem afirmou que “viajar é mudar a roupa da alma” e, de fato, é difícil retornar de uma viagem da mesma maneira que partiu. A quebra de barreiras culturais e linguísticas, os novos sabores e paisagens descobertos e até os “perrengues”, são experiências que não têm preço. Ou melhor, até tem, mas em meio a uma crise econômica, guardar dinheiro para fazer tal investimento pode ser muito difícil.

Difícil, sim, mas não impossível. Veja abaixo algumas dicas para fazer seu dinheiro render mais para suas viagens.

Comece a investir

Aplicações em renda fixa, como tesouro direto, garantem baixo risco e uma rentabilidade superior à poupança. Esta é uma boa opção para quem deseja fazer uma viagem nacional. Já para viagens no exterior, o ideal é apostar em um fundo cambial, levando em consideração qual moeda precisará no destino.

Quem deseja fazer uma viagem em poucos meses deve apostar em investimentos mais conservadores e que não tenham carência para saque. Esse é o caso do Tesouro Selic e CDB (certificado de depósito bancário) com liquidez diária, ou seja, você poderá investir hoje e resgatar amanhã, independente do título possuir um vencimento, e sempre com rendimento.

Se você acha que é só para quem possui muito dinheiro, está enganado. Você consegue iniciar seus investimentos a partir de R$ 30, que é o caso dos investimentos do Tesouro Direto – e ainda fazer tudo pelo celular, a qualquer dia e hora, graças a aplicativos como o da Easynvest.

Economize

Deixe para comer na rua apenas em ocasiões especiais. Enquanto estiver no Brasil, atrele suas compras do cartão de crédito a programas de milhas e compre passagens com bastante antecedência. Acompanhe sites de promoção de viagens e, se possível, viaje na baixa temporada – passagens e estadias estarão mais baratas.

Quando o destino estiver determinado procure o máximo de informações sobre o local. “O ideal é fazer uma planilha com roteiro para quais lugares pretende visitar, estabelecer metas diárias de quanto dinheiro será preciso para cada dia”, sugere o Gerente Comercial da Easynvest, Fábio Macedo.

Compre a moeda aos poucos

E a dúvida que cerca muitos viajantes: Quando é melhor comprar a moeda? A verdade é que não há o momento certo, o ideal é sempre fazer preço médio – comprando em momentos diferentes do mercado. Pesquise os valores de casas de câmbio e, claro, evite fazer a troca em aeroportos, onde as taxas são menos vantajosas.

Cartão de crédito ou pré-pago?

A viagem acaba e o que resta? As faturas para pagar. Se a sua viagem for nacional, usar o cartão de crédito pode trazer algumas vantagens. Se o seu dinheiro estiver investido e dependendo da data de corte do seu cartão de crédito, você pode ganhar 30 ou 40 dias de rendimento ainda, até pagar as contas. Já em viagens ao exterior, há o risco de, no momento do pagamento da fatura, a moeda estar mais valorizada do que no momento da compra. Para evitar essa situação, o ideal é usar dinheiro ou cartão pré-pago durante a viagem.

Ter disciplina para guardar seu dinheiro e aprender como trabalhar ele, é ter responsabilidade financeira, o que ajudará a realizar muitos sonhos e certamente trará mais controle para todos os setores da sua vida.

Quer sair da poupança e investir melhor seu dinheiro, acesse aqui.

Veja também: Será que vale a pena comprar um carro?