geradores algas
Foto: American Chemical Society
- Publicidade -

Gerar eletricidade sem o uso de combustíveis fósseis e garantir energia lima e renovável é cada vez mais urgente. Além da energia eólica e solar, existem outras possibilidades, como a energia gerada a partir do movimento das águas do mar.

E, veio justamente do mar a inspiração para um novo dispositivo capaz de gerar energia limpa. As algas serviram de modelo para que cientistas do Instituto de Tecnologia da Geórgia criassem filamentos que se movimentam junto com as ondas e geram eletricidade a partir da energia cinética.

geradores algas
Foto: American Chemical Society

Apesar de ainda estar em fase de testes, o protótipo mostrou resultados bastante animadores. A geração de energia acontece por meio de nanogeradores triboelétricos, ou (TENGs), que coletam o excesso de energia da transferência de elétrons de uma superfície para outra, como na eletricidade estática.

- Publicidade -

O material dos filamentos que imitam algas é composto por um copolímero usado para fazer tubos flexíveis em torno de cabos, e PET, um dos plásticos mais comuns, ambos revestidos com tinta condutora.

À medida que as ondas movem as TENGs para frente e para trás, o revestimento é conectado e desconectado repetidamente, gerando eletricidade. 

Neste vídeo (em inglês) é possível entender melhor como funcionam os mini geradores em formato de algas:

O sucesso do experimento foi descrito em um artigo recente, no qual os cientistas mostram como apenas algumas dessas TENGs de algas marinhas foram capazes de alimentar uma série de 30 luzes LED.

A partir deste primeiro protótipo, a ideia é que a escala de uso dos pequeno filamentos seja aumentada e consiga gerar energia suficiente para aparelhos elétricos em habitações costeiras, como boias flutuantes, usinas costeiras, dispositivos submersos, equipamentos de monitoramento de água ou até mesmo um farol.

Impacto ambiental

Como os filamentos não produzem calor, luz ou som, o impacto ambiental gerado no ecossistema marinho é bastante reduzido, ao contrário de alguns geradores que usam o movimento das maré.

Foto: American Chemical Society

Leia também:

- Publicidade -