O estado da Bahia mantém a liderança do segmento de energia eólica, fonte renovável oriunda dos bons ventos. O complexo eólico Ventos de Santo Abraão, no município de Morro do Chapéu, é um dos responsáveis pelo feito. O fator de capacidade de geração de energia no local foi de 52,1%, em abril: o maior registrado no período.

A energia gerada, no primeiro quadrimestre do ano, representa 31% em relação ao restante do país, o que consagra a liderança nacional.

“A Bahia tem 170 parques eólicos em operação, mais de 1,3 mil aerogeradores, que o povo no interior chama carinhosamente de ‘catavento’, e uma capacidade instalada de 4,1 Gigawatts (GW). Os R$ 16,7 bilhões investidos por essa centena de empreendimentos beneficiaram 20 municípios baianos. Ou seja, os números do Estado no segmento de energias renováveis são extremamente significativos e motivo, não só de muito orgulho para nós que estamos na linha de frente da atração de investimentos, mas de esperança para a economia no pós-pandemia”, destaca o vice-governador João Leão, secretário titular da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado (SDE).

energia dos ventos
Imagens aéreas do Parque Eólico de Guanambi. Foto: Paula Fróes | GOVBA

A expectativa narrada pelo governador tem como base 53,5 mil empregos previstos para serem gerados pelos 38 novos parques em construção e nos 86 que estão em fase de iniciar a construção. Juntos, esses novos complexos devem injetar R$ 13,1 bilhões em investimentos no território baiano.

Outra curiosidade do setor eólico na Bahia é que a energia gerada nos 170 parques ativos tem capacidade de abastecer cerca de 8,3 milhões de residências e beneficiar aproximadamente 25 milhões de habitantes – quase o dobro da população baiana que é de 14,8 milhões, segundo o IBGE. Entretanto, a energia gerada pelos ventos no estado é distribuída para todo o país.

Energia Solar

Além dos bons ventos, também se destaca o setor solar fotovoltaico da Bahia. O estado possui 29 parques em operação, em sete municípios, com 777 Megawatts (MW) de capacidade instalada e 3 milhões de módulos fotovoltaicos.

A energia solar gerada no sertão baiano é capaz de abastecer cerca de 1,1 milhão de residências e beneficiar 3,5 milhões de habitantes. O segmento se prepara para crescer com os 23 parques prestes a iniciar a construção, que devem investir R$ 4 bilhões e podem gerar mais de 12 mil empregos.