Há uma semana, Bill de Blasio, prefeito de New York (EUA) estava nas ruas distribuindo sacolas reutilizáveis. Mais do que uma ação marqueteira, a iniciava marcou o início da proibição de sacolas plásticas no Estado de Nova York, que entrou no último domingo (1).

Uma das maiores metrópoles do mundo também aprovou um projeto de lei para banir as sacolinhas. Será o segundo estado dos Estados Unidos a proibir completamente os sacos plásticos, pois em 2016 a Califórnia já havia feito o mesmo.

“Essas sacolas nos ajudarão a ter uma terra limpa e um futuro para nossos filhos e netos”, afirmou Bill de Blasio enquanto distribuía sacolas reutilizáveis na Union Square Farmers Market – um dos maiores mercados de agricultores do estado.

A lei já está em vigor, mas as multas só poderão ser aplicadas a partir de 1º de abril e variam a até 500 dólares (por plástico descartável) em caso de reincidiva. De acordo com o governo, o primeiro mês será para “educar” a população sobre a mudança.

Além dos reutilizáveis, que deverão ser levados pelos consumidores, o comércio poderá ainda distribuir sacos de papel descartáveis. Em alguns casos de forma gratuita e em outro, como na cidade de Nova York, será cobrada uma taxa de cerca de 20 centavos.

“Meu governo se comprometeu a enviar “zero” resíduos para aterros até 2030 – uma meta ousada, necessária e alcançável em busca de uma cidade de Nova York mais sustentável”, declarou Blasio ainda em 2016 quando foi aprovada a proibição.

Veja outras cidades que aprovaram a proibição de sacolinhas plásticas:

RJ reduz 1 bilhão de sacolas plásticas em 6 meses

Aruba completa dois anos de proibição de sacolas plásticas

Boston bane distribuição de sacolas plásticas

Efeitos da proibição de sacolas já são percebidos no litoral do Quênia