Mãe Terra compensa em dobro todo o plástico flexível que já gerou

Anúncio histórico envolve mil toneladas de plástico produzido em embalagens flexíveis desde a criação da empresa, em 1979

granola Mãe Terra
Foto: Mãe Terra

A história da marca de alimentos Mãe Terra começou há 45 anos, em um restaurante inaugurado na Consolação, zona central de São Paulo, em 1979 – e a proposta já era oferecer comida saudável, natural e orgânica. Além de servir refeições, o restaurante tinha uma vendinha a granel que fazia muito sucesso. Em 1981, a venda se tornou uma marca de propósito que passou a vender seus produtos para o varejo e atacado.

Desde então, muita coisa aconteceu. A empresa cresceu, o restaurante ficou para trás e a ideia de nutrir as pessoas, respeitando a natureza, sempre esteve presente. Em 2016, a Mãe Terra foi certificada como uma Empresa B. Em 2021, entrou para a Rede Origens Brasil. E, em 2023, a empresa compensou 100% das embalagens plásticas produzidas.

História Mãe Terra
Imagem: Mãe Terra

Em 2024, em um anúncio histórico, a empresa comunicou a compensação do dobro do volume de resíduos plásticos gerados pelas embalagens flexíveis desde a sua fundação, há 44 anos. “Ficamos muito orgulhosos com a nossa primeira compensação anual, em 2023. Mas, a empresa tem outros 44 anos de história que precisam entrar nessa conta”, explica Lucci Silva, líder de Sustentabilidade para Alimentos da Unilever, grupo que incorporou a Mãe Terra 2017.

Dobrar a quantidade de plásticos flexíveis nas embalagens na compensação foi uma maneira de incluir no volume todas as variações de gramatura do material ao longo dos anos – além de ampliar os benefícios ambientais e sociais gerados pela iniciativa.

Reciclagem de embalagens flexíveis

embalagem Mãe Terra
Foto: Mãe Terra

A companhia adotou um plano considerando todo o volume de embalagens plásticas utilizadas nos seus produtos, há 44 anos. Primeiro, foi feito o cálculo de quanto plástico foi colocado no mercado (quantidade de plástico por embalagem multiplicada pelas unidades vendidas no período e dobrada); em seguida, a mesma quantidade de plástico foi comprada de cooperativas em todo o Brasil e enviada para uma recicladora, que limpa e transforma o resíduo em resina. A resina transformada em tampas para produtos de higiene e limpeza da Unilever – em forma de plástico rígido, material com mais valor para a cadeia de reciclagem do plástico.

Lucci que reciclar plásticos flexíveis é um processo complicado, mas que vale a pena: “O plástico flexível tem diversos desafios para adentrar na cadeia de reciclagem que vão desde a dificuldade técnica de processamento para transformar esse resíduo em resina, até a parte de coleta deste material, já que hoje no Brasil não temos coleta seletiva para embalagens flexíveis plásticas. Mesmo que muitas embalagens sejam tecnicamente recicláveis, a maioria acaba indo para aterro, mas muitas vão para as cooperativas e é nesse momento em que compramos delas”.

Surfe e sustentabilidade

O anúncio da compensação histórica aconteceu na etapa do Campeonato Mundial da Liga Mundial de Surfe (WSL – World Surf League, em inglês), em Saquarema, no Rio de Janeiro, Mãe Terra. A Mãe Terra se tornou patrocinadora da competição e realizou uma série de ações para celebrar o momento.

granolas especiais Mãe Terra
Foto: Pedro Monteiro

A etapa brasileira do WSL vai do dia 22 ao dia 30 de junho. Entre as ações da Mãe Terra estão o estímulo a escolhas de alimentos saudáveis com o conceito “comece pela granola”. O produto é o carro-chefe da marca e ganhou embalagens temáticas com os surfistas brasileiros Ítalo Ferreira, Sophia Medina e Yago Dora, nos novos rótulos do produto. Como parte da campanha, os atletas vão compartilhar mensagens sobre alimentação saudável, prática de exercícios físicos e hábitos sustentáveis no ambiente digital e participar das ativações presenciais de Mãe Terra em Saquarema.

A marca vai promover atividades abertas ao público como práticas de Yoga e mutirão de limpeza de praia, em parceria com a Natura, que usa o plástico retirado dos oceanos nas embalagens do perfume Natura Kaiak.

limpeza de praia Natura e Mãe Terra
Limpeza de praia durante o WSL, uma parceria da Mãe Terra com a Natura. Foto: Divulgação

Collab com a Menos 1 Lixo

Reforçando os benefícios econômicos, sociais  e ambientais da reciclagem a Mãe Terra anunciou ainda uma collab com a Menos 1 Lixo, empresa B Certificada e canal de sustentabilidade muito importante no Brasil.  Como resultado dessa parceria, serão produzidas bolsas e mini mochilas com plástico reciclado proveniente de big bags do agronegócio que seriam descartadas.

A produção das peças é por conta da Atero, e tem a participação da Yattó, que coleta e rastreia esse material, converte em polímero novamente para serem transformadas em novas malhas plásticas pela Zaraplast. O que se tornaria novamente uma big bag, ganha novo sentido se transformando em produtos funcionais, com estilo e impacto positivo. Os itens serão vendidos no estande da marca ao longo do evento em Saquarema e no site da Atero (www.atero.com.br/maeterra).

mochilas collab Mãe Terra e Menos 1 Lixo
Mochilas da collab entre a Mãe Terra e Menos 1 Lixo. Foto: Divulgação

“Como empresa B Corp, sempre nos preocupamos em deixar um impacto positivo na sociedade e no meio ambiente por meio de nossa atuação. A conclusão dessa compensação histórica de plástico comprova o compromisso que temos com a nossa essência de buscar pela mudança que queremos ver no mundo, e de sermos verdadeiros aliados do consumidor na jornada dele por um estilo de vida mais saudável e sustentável”, afirma Rodrigo Visentini, Líder de Nutrição da Unilever.

Para acompanhar as ações de sustentabilidade da Mãe siga as páginas oficiais no InstagramFacebookYouTube ou acesse o site www.maeterra.com.br/sustentabilidade.