minimalismo reciclagem roupas
Foto: iStock
- Publicidade -

Com o objetivo de reduzir o desperdício têxtil e aumentar a escala da reciclagem de roupas de algodão no Brasil, o aplicativo Plataforma Circular Cotton Code traz uma rede para logística reversa que já conta com mais de 200 pontos de descarte e aquisição de roupas de algodão, nas 5 regiões do país.

Peças de algodão em fim de ciclo de uso poderão ser levadas a coletores dispostos nas lojas das redes varejistas: C&A, Reserva e Youcom – participantes pioneiras no projeto.Os coletores vão receber peças que contenham fibras de algodão, como calças jeans, sarjas, peças em malha e outras.

reciclagem roupas algodão
Foto: Divulgação | Plataforma Circular Cotton Move

A coleta acontece em parceria com a Retalhar, empresa B certificada e especialista na logística reversa de resíduos têxteis. Peças que não puderem ser recicladas serão destinadas a outros usos, garantindo um processo “aterro zero”. Já as peças com possibilidade de reciclagem, serão aproveitadas em peças autorais por meio do Sistema COMAS de Upcycling Raiz (UpR).

- Publicidade -

Os novos produtos obtidos no processo de reciclagem serão desenvolvidos pela Cotton Move, empresa de soluções têxteis circulares e idealizadora do projeto, em parceria com as empresas Vicunha Têxtil, Cambos e Dalila Têxtil.

“Temos como objetivo estruturar relações colaborativas de produção e consumo, e processos rumo à Economia Circular, em escala nacional”, explica José Guilherme Teixeira, fundador da Cotton Move.

reciclagem roupas algodão
Foto: Divulgação | Plataforma Circular Cotton Move

Reaproveitamento em toda a cadeia produtiva

Além das peças usadas, a plataforma também reinsere no ciclo produtivo os descartes têxteis de pré-consumo das empresas parceiras.

As fibras recuperadas são utilizadas no desenvolvimento dos produtos que voltarão às lojas, sem a adição de fibras sintéticas, valorizando assim a reciclabilidade do algodão.

Todos os produtos, sejam eles tecidos ou confecções, são desenvolvidos a partir de processos industriais certificados e seguindo princípios de circularidade.

reciclagem roupas algodão
Foto: Divulgação | Plataforma Circular Cotton Move

Desperdício têxtil

Mesmo com o aumento de iniciativas para a extensão do ciclo de uso das roupas, o problema do desperdício é gigante. Segundo estimativa da Fundação Ellen Macarthur, um caminhão de lixo têxtil é depositado em aterro ou incinerado a cada segundo no planeta; e menos de 1% do material usado para produzir roupas é reciclado em novas roupas.

Como participar?

reciclagem roupas algodão
Imagem: Divulgação | Plataforma Circular Cotton Move

O aplicativo Plataforma Circular Cotton Moveestá disponível para download na Apple Store e Play Store, através do QR Code do projeto. A plataforma também pode ser acessada pelo desktop em plataformacircular.app.

Em um blog, serão compartilhadas histórias e informações sobre soluções de circularidade, gestão compartilhada de resíduos, plantio de algodão e inovações lançadas pelos parceiros.

“Acreditamos que a Moda pode tornar-se uma referência de boas práticas em sistemas de logística e manufatura reversa, como já́ acontece nos setores de agroquímicos e medicamentos”, conclui José Guilherme.

Rastreabilidade e transparência

Além da coleta, reciclagem, produção e comercialização de peças com algodão, a plataforma vai oferecer um sistema de rastreabilidade por meio do projeto Rastra by Cotton Move, onde fluxos de materiais serão mapeados nas sucessivas etapas de pré e pós-consumo.

reciclagem roupas algodão
Foto: Divulgação | Plataforma Circular Cotton Move

Será́ utilizada a tecnologia blockchain para registro de materiais coletados e utilizados na produção, atributos de sustentabilidade, certificações e atores envolvidos no processo.

As informações serão acessíveis ao consumidor por meio de QR Codes, promovendo transparência sobre o ciclo de vida dos produtos e credibilidade sobre seus atributos.

Aplicativo Plataforma Circular Cotton Move | 2022
reciclagem roupas algodão
Imagem: Divulgação | Plataforma Circular Cotton Move

LEIA MAIS:

- Publicidade -