Com 119 votos, foi aprovado o projeto de lei para tornar a Nova Zelândia carbono zero até 2050. A meta já havia sido prometida pela primeira-ministra, Jacinda Ardern, no início do seu mandato em 2017. Com aprovação da lei, o país destaca-se com uma legislação climática histórica e entra na vanguarda da ação efetiva pelo clima.

Além de zerar suas emissões, a Nova Zelândia terá que implementar esforços de modo a contribuir para manter o aquecimento global abaixo de 1,5°C, conforme compromisso firmado no acordo de Paris. Apesar de tentativas do governo de oposição, o projeto de lei foi aprovado sem alterações.

A meta de redução seguirá por duas frentes: uma para reduzir o metano biogênico e outra para todos os outros gases de efeito estufa.

“Hoje fizemos uma escolha que deixará um legado. Espero que as futuras gerações vejam que nós, na Nova Zelândia, estávamos do lado certo da história”, afirmou Jacinda. A primeira-ministra também ressaltou que é preciso ir além dos “sinais de esperança” e partir para os “sinais de ação”. Mais uma vez também reforçou que a mudança climática é o maior desafio de nosso tempo. Veja um trecho de seu discurso:

O projeto de lei aprovado exige que os futuros governos tenham planos para atingir a meta, estipulada em 2050. Inclusive, uma comissão vai estabelecer programas e orçamentos futuros para adaptação e mitigação frente à crise climática.

Leia também:

Ministro das Finanças na Nova Zelândia cria orçamento para bem-estar

Nova Zelândia vai plantar 1 bilhão de árvores até 2027