Uma equipe da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está buscando maneiras de criar barcos solares. A intenção de desenvolver a tecnologia é contribuir socialmente ao criar um meio de transporte fluvial e alternativo na Amazônia.

O barco movido a energia do sol foi projetado com financiamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, além do apoio do CNPq. As características do veículo levaram em consideração as condições climáticas e geográficas da Amazônia.

Utilizando esse barco, estudantes serão transportados para as escolas – essa será sua principal finalidade. A embarcação também será utilizada para levar suprimentos aos moradores de comunidades ribeirinhas.

O barco já está pronto, e, nos próximos dias, ficará ancorado na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro. Depois, seguirá para a comunidade de Santa Rosa, no município de Barcarena, próximo a Belém. A transição contará com a ajuda da Universidade Federal do Pará.

Para o coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) de Energias Renováveis e Eficiência Energética da Amazônia e professor titular da Universidade Federal do Pará (UFPA), João Tavares Pinho, a questão da energia é extremamente importante para a população local.

“Há uma necessidade naquela região e nós, da universidade, temos um débito social com essa população. Não adianta só fazer pesquisas de ponta que sirvam para estrangeiros e não para nós, brasileiros”, disse em entrevista à Raquel Couto do MCTI. 

O trajeto escolar é realizado na região por meio de pequenas embarcações movidas a diesel, que poluem os leitos dos rios e estressam os animais devido ao ruído. De acordo com o professor da UFSC, Ricardo Rüter, a intenção é fabricar outros barcos que poderão ser uma alternativa de transporte em diversos locais do Brasil, não apenas da região Norte. Com informações do Inovação Tecnológica.

Redação CicloVivo

 

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.