Norte-americanos criam pen drive de papel

Desevolvedores norte-americanos criaram o Intellipaper, um pen drive produzido a partir de folhas de papel. A nova tecnologia, que foi criada para aprimorar o uso e evitar o desperdício, pode ser aplicada em cartões, folhetos e convites.

Três camadas de papel e um microchip: esta é a composição do Intellipaper, um pen drive produzido com as folhas de papel que utilizamos no dia-a-dia. Criado por uma equipe de nove norte-americanos, o dispositivo é pequeno, fino e reciclável, e pode ser elaborado em qualquer tipo de papel.

A leitura dos pen drives fica por conta de uma tecnologia que imprime um código no papel, capaz de ser reconhecido pela entrada USB do computador. Na hora de descartar o pen drive no lixo, a melhor saída é retirar o microchip de silício e reciclar o papel.

A invenção dos norte-americanos já foi patenteada, mas o pen drive ainda não chegou ao mercado: a equipe divulgou seu projeto em um site internacional de financiamento coletivo, em que precisa arrecadar cerca de 300 mil dólares para comercializar o novo eletrônico sustentável.

Se o projeto obtiver a verba necessária, serão fabricados pen drives que comportam desde 8G até 32G de memória, com preços que poderão chegar a 100 dólares. No site da Intellipaper, um kit de demonstração dos produtos é vendido por 15 dólares.

A ideia dos desenvolvedores é fazer com que o papel se torne cada vez mais eficiente – agregando novos recursos às cartas, cartões de visita, cartões postais, ou, simplesmente, armazenando o máximo de conteúdo em um pequeno pedaço de papel. Com informações da Exame.
 

Redação CicloVivo