A Prefeitura de São Paulo anunciou a criação do Hub Green Sampa – Centro de Inovação e Negócios Verdes, que será instalado na Praça Victor Civita, na região de Pinheiros, na zona oeste.

Já foi assinado o acordo de cooperação entre a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente e o Instituto Idemas, para a cessão da Praça e também o termo de parceria para cessão do prédio do incinerador para a Ade Sampa, agência vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho.

Na área externa da praça, o Idemas realizará a manutenção, segurança, melhorias urbanas, ambientais, paisagísticas e a promoção de programas culturais, ambientais, esportivos, sociais, lazer e recreação no local.

Já na área interna do prédio do incinerador, a Ade Sampa fará a transformação do local em uma incubadora e aceleradora de empresas inovadoras de tecnologias verdes.

“Nos próximos 10 anos serão criados 24 milhões de novos empregos no setor de economia verde em todo o mundo. É fundamental que a Prefeitura desenvolva políticas públicas para apoiar o desenvolvimento deste setor na capital, que tem a tecnologia e a inovação em seu DNA”, declara a secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Aline Cardoso. “O Green Sampa é um programa amplo que permeia diversas áreas. Queremos transformar São Paulo em um dos principais polos de negócios sustentáveis da América Latina, o que torna fundamental a instalação do Centro de Inovação em Negócios Verdes”, completa.

O térreo do prédio Hub Green Sampa será dedicado à recepção das empresas e a instalação do Laboratório de Inovação e Experimentação, além de espaço para eventos, ambiente de convivência, copa, administração e gestão do local. “Este é o inicial que será uma co-criação em conjunto com as empresas e a sociedade”, afirma Aline Cardoso.

Já no primeiro andar será instalado o Centro de Inovação e Negócios Verdes, que contará com 40 posições para empresas residentes que lançarão desafios para startups do setor de tecnologia. “O espaço receberá também mentorias, palestras e encontros de conexão com outras startups, além de operar os programas de aceleração, acompanhamento de negócios e incubação”, destaca o presidente da Ade Sampa, Frederico Celentano.

No terceiro andar do edifício será instalado uma unidade do Teia, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, voltada para empreendedores que atuam com negócios ambientais. Serão disponibilizadas 24 posições fixas de trabalho, oito computadores de mesa disponíveis com acesso à internet, 16 posições livres de trabalho e quatro cabines para ligações. O coworking público contará também com sala de reunião para oito pessoas e varanda para convivência, relaxamento e eventos.

“Este local já é um hub do setor ambiental por estar ao lado da sede da Secretaria, da Sabesp e da Cetesb”, comenta o subsecretário de Meio Ambiente da Secretaria Estadual de Infraestrutura e Meio Ambiente, Eduardo Trani.

Durante o evento, o Instituto Idemas apresentou a proposta de revitalização da praça, que conectado com a iniciativa privada e o poder público, procurará construir um novo conceito de uso do espaço público. “Estamos abrindo canais de comunicação para dialogar com a comunidade local e também com investidores para que juntos possamos implantar esse projeto”, explica a presidente do Instituto Idemas, Pricila Atienza.

O objetivo é que o local também conte com atividades socioambientais e culturais, guiadas por especialistas e curadores, além de uma infraestrutura mais moderna.

“São Paulo tem 107 parques e 48% de cobertura vegetal. Pra que isso continue existindo precisamos de modelos como este, que tenha preservação, geração de emprego e qualidade de vida. Estamos melhorando espaços públicos para a população e é isso que o prefeito Bruno Covas tem nos pedido”, disse o chefe de gabinete da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, Eduardo Ravena.

A Praça Victor Civita foi inaugurada em 2008, no bairro de Pinheiros, trazendo para a cidade um espaço público de múltiplo uso, com arquitetura contemporânea e critérios inovadores de sustentabilidade. Um projeto viabilizado pela parceria entre o Grupo Abril, Itaú, Even e Petrobrás, a praça esteve ativa até 2014, atraindo mais de 200 mil pessoas por ano, mas em seguida foi gradualmente desativada.

“Essa praça foi um sonho do meu marido que agora terá um grande projeto a altura da sua memória. Contem comigo para buscar parceiros para que essa praça continue sendo um presente para São Paulo e o meio ambiente”, disse Maria Antônia Civita, viúva de Roberto Civita.

Green Sampa

O Green Sampa atua em quatro eixos: mapeamento de atores locais; acompanhamento e desenvolvimento de startups verdes com desafios de problemáticas da cidade; meetups para integração do setor e; qualificação no eixo da sustentabilidade.

Durante o mapeamento estão sendo realizadas pesquisas e curadorias de iniciativas verdes que atuam com a implementação de tecnologias limpas e o fomento de negócios sustentáveis.

O Programa de Desafios de Soluções Inovadoras é voltado à geração de novas soluções para o desenvolvimento sustentável, que lançará desafios com problemáticas da cidade. Em sua primeira edição, foram selecionadas 12 iniciativas para serem aceleradas e quatro destas receberam o aporte financeiro de 25 mil reais cada para investir no desenvolvimento do seu negócio.

Já os meetups promovem a integração dos participantes do setor com trocas sobre inovação e geração de oportunidades de atuação em rede. Os encontros de conexão serão realizados entre startups, possíveis empresas investidoras, poder público e interessados no universo cleantech.

A Fundação Paulistana lançou três editais para o fomento de projetos de qualificação profissional voltados ao eixo de sustentabilidade. Serão realizados cursos presenciais de turismo ecológico, agricultura de base ecológica e reutilização de resíduos sólidos. Mais de R$ 1,1 milhão serão investidos para o desenvolvimento dos projetos, impactando na qualificação de mais de 2.100 pessoas.