Nova espécie de planta carnívora homenageia Stephen Hawking

Espécie foi encontrada há aproximadamente dois anos em Delfinópolis, Minas Gerais.

especie carnívora
Foto: Arquivo pessoal

Com informações do portal Unesp.

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp), no câmpus de Jaboticabal, homenagearam o físico Stephen William Hawking (1942-2018) em uma nova espécie de planta carnívora recém descoberta pelo grupo. A Genlisea hawkingii é encontrada no Cerrado e foi descrita em artigo publicado no periódico internacional PlosOne no início deste ano.

Para o professor Vitor Fernandes Oliveira Miranda, líder do grupo, o inglês Stephen W. Hawking foi um exemplo de dedicação, empenho e paixão pela ciência.

“Mesmo acometido pela sua doença grave, inspirou muitas pessoas, ligadas ou não à ciência, com sua genialidade e determinação. Por isso nossa homenagem com essa espécie nova para a ciência”, afirmou o professor do Departamento de Biologia Aplicada à Agropecuária da Unesp, em Jaboticabal.

O artigo na revista PlosOne pode ser lido neste link.

O docente explica que a espécie foi encontrada há aproximadamente dois anos em Delfinópolis, Minas Gerais, em região adjacente aos limites do Parque Nacional da Serra da Canastra. Desde então, o grupo tem procurado a espécie em diversas expedições de campo, mas sem sucesso.

Tal fato levanta um alerta sobre a fragilidade da espécie, uma vez que ela foi encontrada fora de uma unidade de conservação, e corre o risco de ser extinta. “Infelizmente, as áreas de cerrado, que é o bioma onde a Genlisea hawkingii foi encontrada, estão sendo sistematicamente pressionadas e destruídas pelas atividades da agricultura, pecuária e, naquela região em particular, atividades de mineração”, afirma.

O professor de Jaboticabal explica que as espécies de Genlisea são muito conhecidas pela ciência não apenas pela sua carnivoria, o que é um hábito pouco comum para as plantas, mas por possuírem também os menores genomas conhecidos para as plantas.

“Assim, essas espécies são muito importantes como modelo para estudarmos e compreendermos mais os processos que norteiam a evolução dos genomas das plantas”, explica o docente, que em Jaboticabal coordena um grupo de pesquisa voltado para estudos da sistemática, genômica e evolução de plantas carnívoras.

A vida de Stephen Hawking, morto aos 76 anos, já foi contada em dois documentários e dois filmes, o último deles lançado nos cinemas em 2014 sob o nome “A Teoria de Tudo” (The Theory of Everything), disponível no serviço de vídeos via streaming Netflix.