Ciclistas têm descontos em bares e restaurantes de Buenos Aires

Os ciclistas de Buenos Aires agora têm mais vantagens: além de ter aumentado o número de paraciclos nos estabelecimentos da capital argentina, os donos de bares e restaurantes vêm oferecendo desconto para quem usa a bicicleta para curtir a noite portenha.

Os benefícios surgiram para atender ao número de ciclistas da cidade, que só cresce a cada dia. Os donos dos estabelecimentos perceberam que, com a expansão das ciclovias em Buenos Aires, mais pessoas aderiram às bikes como meio de transporte também na vida noturna.

Um dos principais destinos para os ciclistas noturnos de Buenos Aires é o Soria, bar localizado no agitado bairro de Palermo. Chamado pelos argentinos de “bici-friendly”, o estabelecimento conta com dois estacionamentos e oferece descontos a quem chega de bike. No bairro Vicente López, o restaurante La Apasionada também colabora com os clientes que vão de bicicleta – lá, os ciclistas têm 15% de desconto.

Martín, um dos proprietários do Soria, vai de bike até o trabalho e diz que o local faz sucesso entre os ciclistas. “Quando não há mais onde estacionar as bicicletas, as pessoas as amarram aos postes de luz”, diz o dono ao jornal argentino Clarín.

Os ciclistas de Buenos Aires podem ficar por dentro dos benefícios através do site La Vida en Bici, criado por cicloativistas que fazem um mapeamento completo dos serviços oferecidos a quem usa a bicicleta na capital argentina.

Matías Kalwill, diretor do La Vida en Bici, acredita que as ações em prol dos ciclistas resultam do esforço de várias partes da sociedade. Kawlill diz que, desde 2010, vem organizando festas para quem anda de bike. “Com o pessoal da [boate] Studio Crobar, criamos um boliche com entrada grátis para ciclistas”, conta.

Kalwill também criou a festa Mstrpln, que existe até hoje e acontece às sextas-feiras, e quem vai de bike para o evento não paga nada. No entanto, os organizadores dizem que a maior parte das pessoas ainda insiste em chegar de carro ou táxi. Com informações do Clarín.

Redação CicloVivo