Acaba de ser criado em São Paulo um trabalho criativo e projetado nos conceitos que regem o significado da palavra sustentabilidade. Trata-se da empresa de móveis e decoração Verena, criada pela educadora artística Marta Andrade Zuppolini, que teve a ideia de transformar móveis antigos em peças novas, exclusivas e com toda a funcionalidade preservada.

“A transformação traz identidade própria e não existem outros móveis parecidos no mercado. Não é recuperação ou restauração. É reaproveitamento. A partir da estrutura, desenvolvemos peças únicas, totalmente diferentes das originais que teriam, pelo aspecto bastante desgastado, utilização menos nobre ou seriam descartadas como lixo. Damos uma nova imagem e linguagem a essas peças que serão inseridas em espaços novos também, alguns bem sofisticados”, ressalta Marta Zuppolini.  

É um trabalho de arte, antes de qualquer coisa, que envolve a participação de vários artesãos e parceiros nas mais diversas etapas de produção, como marceneiros, estofadores, serralheiros, pintores e até oficinas de costura e paisagistas. Além das parcerias, Marta Zuppolini  trabalha com móveis geralmente destinados a doações. “São peças adquiridas, por exemplo, do Bazar Samburá, que recebe as doações e reverte o dinheiro arrecadado com a venda para instituições como a AACD (Associação de Assistência à Criança Deficiente)”, ela explica.

Todo o processo de trabalho da Verena gera novos resíduos, reaproveitados também pela empresa. “Excedentes de tecidos, linhas e todo material utilizado na confecção e transformação dos móveis são reaproveitados na produção de almofadas e outros acessórios produzidos pela Verena, que nasce com esse compromisso de sustentabilidade: reutilização de recursos naturais e redução do impacto ambiental”, diz Marta Zuppolini.

Empresa familiar

Criada oficialmente em abril deste ano, a Verena começou a ser concebida no final de 2017, quando Marta Andrade Zuppolini teve a ideia de transformar uma poltrona numa peça totalmente nova. “Inicialmente, queria apenas acrescentar valor a essa peça, que era do meu irmão, mas o resultado foi tão surpreendente para todos e, até para mim, que vislumbrei um negócio ainda não explorado e que encanta a todos”, relembra Marta Zuppolini, que é formada em educação artística e sempre conviveu muito de perto com o mundo das artes.

“Não atuamos com encomendas sob medida. Desenvolvemos as peças e optamos pelo e-commerce para colocá-las à disposição do mercado de decoradores e arquitetos do Brasil inteiro, bem como para o consumidor final também”, ela observa.

Veja também: Ikea vai receber móveis usados, revendê-los e dar vouchers aos clientes