Muitas mulheres adotam uma dieta saudável cheia de frutas e vegetais ao tentar engravidar, ou logo no início da gravidez. Porém, de acordo com um novo estudo de Harvard, as mulheres que comeram 2,3 porções ou mais de frutas e vegetais com alto teor de pesticidas tiveram probabilidade 18% menor de engravidar e uma probabilidade 26% menor de dar à luz um bebê vivo. A pesquisa foi publicada na revista científica JAMA Internal Medicine.

Participaram do estudo 325 mulheres entre 18 e 45 anos que já estavam passando por tratamento de infertilidade com tecnologia de reprodução assistida no Hospital Geral de Massachusetts (EUA). Os pesquisadores deram questionários sobre a dieta das mulheres e registraram a sua altura, peso, saúde geral, ingestão de suplementos e histórico médico. Em seguida, analisaram a exposição de pesticidas de cada mulher, determinando se as frutas e vegetais que elas consumiram foram tratados com altos ou baixos níveis de pesticidas.

Os cientistas analisaram os níveis de pesticidas com base em relatórios do Programa de Dados de Pesticidas do Departamento de Agricultura dos EUA. Eles geram uma lista anualmente com o ranking dos alimentos mais contaminados no país (veja aqui). Os resultados foram perturbadores: em comparação com as mulheres que comeram menos de uma porção diária de frutas e vegetais com alto teor de resíduos de pesticidas, aquelas que comeram mais de 2 porções apresentaram 26% de probabilidade de ter um aborto espontâneo.

“Há algum tempo que a exposição a baixas doses de pesticidas através da dieta, como as que observamos neste estudo, pode ter efeitos adversos à saúde, especialmente em populações susceptíveis, como mulheres grávidas e seus fetos e também crianças. Nosso estudo fornece evidências de que essa preocupação não é injustificada”, disse à CNN o Dr. Yu-Han Chiu, primeiro autor do estudo e pesquisador do Departamento de Nutrição da Harvard T.H. Chan Escola de Saúde Pública.

Os pesquisadores também determinaram que o consumo de frutas e vegetais com baixos resíduos de pesticidas estava associado a maiores probabilidades de gravidez e parto. “Embora tenhamos constatado que a ingestão de frutas e vegetais com alto teor de pesticidas estava associada a um menor sucesso reprodutivo, a ingestão de frutas e vegetais com baixos resíduos de pesticidas tinha a associação oposta”, disse Chiu.

O pesquisador concluiu: “Uma escolha razoável com base nestes achados é consumir frutas e vegetais de baixo teor de pesticidas em vez de resíduos de alto teor de pesticidas. Outra opção é escolher orgânico para as frutas e vegetais que contêm altos resíduos de pesticidas. É muito importante ter em mente que, na medida em que sabemos, é a primeira vez que esta associação é relatada, por isso é extremamente importante que nossas descobertas sejam replicadas em outros estudos”.

Para acessar a pesquisa completa clique aqui.

Clique aqui para ver as 12 frutas e vegetais mais contaminados por agrotóxico nos EUA.

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.