Look do dia, dieta lowcarb, projeto verão. Estes são conteúdos que podem ser encontrados nas redes sociais dos influenciadores na internet. E muitas pessoas passam horas acompanhando e curtindo esse material. Mas, e se essa atenção fosse migrada para onde realmente importa? Esse é o objetivo da campanha “Influenciadores da Vida Real”, que adapta atividades comuns das webcelebridades para a realidade do morador de favela.

Criada pela agência Grupo Image, com fotos de André Costa, a campanha apresenta cinco influenciadores da vida real que, por meio de contas no Instagram, divulgam a realidade de quem vive em comunidades invisíveis e muitas vezes esquecidas pelo poder público.

Estrela da vida real

Rose, moradora da Vila Moraes, em São Bernardo do Campo, é a protagonista da peça lowcarb. Estudante de direito e mãe de 4 filhos, ela mostra, por meio da conta @Rose_vidareal, a violação dos direitos dos moradores do local, e, sem perder o humor, apresenta também o seu prato de arroz e feijão, lembrando que muitas famílias não podem pensar em dieta quando a luta diária é para ter o alimento na mesa.

“A importância e responsabilidade de ser um influenciador da vida real é que, com meu exemplo, posso ajudar outras pessoas a ter uma perspectiva de vida melhor. É sair da fala ‘se Deus quiser’ e usar no dia a dia o ‘eu quero, eu posso, eu existo’. É como sair da casinha, abrir as asas e se abrir para o novo, sem perder a essência e, sem medo, lutar contra esse sistema falido a fim de que prevaleça a empatia e alteridade por onde eu passar”, conta Rose.

Ação para casas emergenciais

A campanha “Influenciadores da Vida Real” é também um convite para a COLETA, uma das principais ações sociais da organização TETO Brasil. Nos dias 13, 14 e 15 de abril, milhares de voluntário irão às ruas das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba (PR), Salvador (BA), Belo Horizonte, Campinas (SP), Santo André (SP), Santos (SP), Bauru (SP), Taubaté (SP), Niterói (RJ), Duque de Caxias (RJ) e Feira de Santana (BA), para denunciar a realidade vivida diariamente por 11 milhões de pessoas nas favelas do Brasil e arrecadar recursos para financiar projetos de moradia e infraestrutura em mais de 40 comunidades onde a organização atua.

“Nos últimos anos tivemos um aumento do déficit habitacional e de pessoas indo morar em favelas, ao mesmo tempo que temos percebido cortes significativos nas políticas públicas de habitação que tendem a agravar ainda mais esta situação de calamidade pública. Queremos mobilizar o maior número de pessoas, que indignadas com estas condições, possam ir para as ruas denunciar e arrecadar recursos para colocar soluções concretas em prática.” comentou Bruno Dias, Gestor Executivo do TETO-Brasil.