Pimenta, alface, manjericão, cebolinha, hortelã e alecrim. Tudo plantado com muito cuidado, de modo sustentável e colhido diretamente do pé. Esses são alguns dos produtos que começam a ser cultivados no Restaurante Comunitário da Estrutural, em Brasília. O plantio faz parte do projeto Horta Sustentável, idealizado e executado pelos servidores da unidade.

“Nossa ideia inicial é reaproveitar as cascas e demais sobras do preparo diário dos alimentos que podem virar adubo”, destaca a nutricionista Giovana Resende, coordenadora da iniciativa. “Estamos promovendo oficinas com os trabalhadores para capacitá-los e, posteriormente, pretendemos envolver a comunidade no projeto”, complementa.

Além da capacitação dos servidores, o Horta Sustentável conta com a doação de mudas e de materiais dos fornecedores e empresas parceiras da unidade, e das Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF). Voluntárias da comunidade reforçam o trabalho. Uma delas é a própria mãe da nutricionista, Fernanda Alves. “É uma terapia. Mexer com a terra é uma conexão. É muito gratificante”, conta.

O espaço utilizado fica na parte de trás do restaurante, em uma área aberta e apropriada para esse tipo de cultivo. São oito micro-hortas de, aproximadamente, 50 cm x 100 cm cada uma. Diariamente, paralelamente ao início do preparo dos alimentos, parte da equipe e os voluntários seguem para a manipulação do canteiro.

Uma das técnicas empregadas é a compostagem. Restos dos alimentos do restaurante serão compostados no solo e transformados em um rico adubo.

Além de abastecer o próprio restaurante comunitário quando as mudas começarem a render frutos, o espaço vai servir de área educativa para a população, principalmente para projetos com alunos da rede local de ensino.

“Os 14 restaurantes comunitários do DF são ligados à Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), mas todos têm autonomia para desenvolver projetos que envolvam a população, sempre com o objetivo de estreitar os laços com a comunidade”, enfatiza a subsecretária de Segurança Alimentar e Nutricional da Sedes, Karla Lisboa.

Leia também: Sobras de alimentos viram biogás e adubo em restaurante de São Paulo