Uma foto de cães puxando um trenó sobre a água viralizou em todo o mundo.Tirada pelo cientista climático Steffen Olsen, ela evidencia a rapidez com que o gelo está derretendo na Groenlândia. O registro ocorreu após o fiorde de Inglefield Bredning, no noroeste da Groenlândia, ter uma perda de aproximadamente 712 mil quilômetros de superfície em um único dia, segundo o Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo dos Estados Unidos.

Os animais, que tinham água até o tornozelo, passaram pelo gelo inundado e a expedição era conduzida pela equipe “Centro para Oceano e Gelo”, do Instituto Meteorológico Dinamarquês (DMI), para recuperar equipamentos de monitoramento oceânico. Não é possível perceber, mas o gelo tinha cerca de 1,2 metro de espessura.

O derretimento abrupto ocorreu devido ao aumento de temperatura. A estação meteorológica mais próxima do aeroporto de Qaanaaq, mesma região do ocorrido, registrou uma máxima de 17,3 graus celsius na quarta-feira (12 de junho) e 15,2 graus no dia seguinte -, quando a foto foi tirada. O ar também tinha uma umidade relativa muito baixa, de até cerca de 25%. “As temperaturas têm definitivamente sido excepcionalmente altas na Groenlândia em junho deste ano”, afirma o climatologista John Cappelen, do Instituto Meteorológico Dinamarquês.

É preciso ressaltar que a temperatura média de Qaanaaq para junho (calculada de 2001 a 2013) é de 3,2°C, e a média das temperaturas mais altas chega a 5,7°C. Entretanto, 17,3°C não é um recorde em junho para Qaanaaq, uma vez que, em 30 de junho de 2012, alcançou a máxima de 17,6°C. Além disso, a temperatura mais alta já medida em Qaanaaq ocorreu em 8 de julho de 2015 quando chegou a 20,4 °C. Detalhes importantes: 2012 foi o ano mais quente da história dos Estados Unidos e a região da Groenlândia está na costa nordeste da América do Norte. E 2015 foi o ano mais quente da História, segundo a Nasa.

Como explicar

A água ficou retida acima da camada de gelo, uma situação que geralmente ocorre somente em julho. Cappelen explica as condições climáticas que resultaram nas altas temperaturas na Groenlândia este ano: “Em 12 de junho, houve forte pressão em torno da Islândia durante a temporada. Passou pelo norte da Europa, a parte oriental da América do Norte e também a Groenlândia. O ar ao redor de Qaanaaq é abastecido pelo sul e desce até Newfoundland e seus arredores. É por isso que é quente. No caminho, o ar quente é resfriado na parte inferior, mas o efeito estufa local é adicionado à medida que o ar quente chega ao nível do mar”.

Apesar de inegavelmente suscitar debates acerca do aquecimento global, os profissionais do clima querem chamar atenção para os indícios constantes e não apenas de um dia atípico. “Nossos modelos climáticos mostram que a estação do gelo marinho na Groenlândia será cada vez mais curta no futuro. O quão rápido isso vai depender da velocidade com que o aquecimento global avança”, afirma Ruth Mottram, pesquisadora de clima da DMI. No entanto, explica que a situação na foto não é em si uma expressão direta do aquecimento. “A temperatura foi excepcionalmente alta na Groenlândia na semana passada, mas isso é devido ao clima. Todo verão, o ar quente sobe do sul e faz com que o gelo derreta”.

Em seu twitter, Steffen Olsen, autor da foto, afirma que as comunidades locais dependem do gelo marinho para transporte, caça e pesca e que é preciso uma capacidade maior de previsão para situações como esta.

Foto: Steffen Olsen