Urbanização é a principal causadora dos ataques de tubarões em Recife

A quantidade de incidentes envolvendo tubarões e banhistas aumentou exponencialmente nos últimos vinte anos em Recife – principalmente, depois da construção do porto de Suape, no sul da capital pernambucana. Além da estrutura portuária, especialistas consideram que as alterações climáticas combinadas com a pesca predatória e a poluição na zona costeira causam cada vez mais ataques de tubarões na cidade nordestina.

O tubarão-tigre e o tubarão cabeça-chata são os principais responsáveis pelos ataques. Atraídos pelo movimento das grandes embarcações do porto de Suape, os predadores circulam na zona costeira poluída, onde ficam expostos a situações que ameaçam sua sobrevivência – por exemplo, muitos já foram encontrados mortos com vários objetos dentro do estômago, como garrafas, latas, sacos plásticos e até placas de carro.

Além da construção do porto e da poluição nas praias, existem outros fatores que explicam o aumento de tubarões na região. A pesca de arrasto de camarões, por exemplo, é uma das atividades que mais atraem os predadores para o local. Isso acontece porque é o artrópode que está entre os alimentos favoritos dos tubarões, e não os humanos – como muita gente pensa.

Se o movimento das embarcações que chegam e partem do porto de Suape atrai os tubarões, a construção do sistema portuário trouxe impactos diretos para o ecossistema local. Assim, as obras destruíram os mangues existentes na região, fazendo com que os animais se reproduzissem no estuário do rio Jaboatão, que desemboca exatamente nas praias de Recife.

Um motivo natural para a concentração de tubarões na região é a presença de um banco de areia, que se estende na costa a cerca de um quilômetro das praias da capital pernambucana. Entre esta faixa e a praia, é formado um canal profundo, onde vivem várias espécies de raias, uma das presas mais procuradas pelos tubarões.

O mais recente ataque em Recife ocorreu no último dia 22. Desta vez, a vítima foi a banhista Bruna Giobbi, de 18 anos, que perdeu a vida na praia de Boa Viagem. É o vigésimo quarto óbito registrado por incidente entre banhistas com tubarões, e as autoridades locais vêm discutindo medidas para impedir os banhos de mar nas áreas de risco. Com informações da Mundo Estranho.

Redação CicloVivo