A prefeitura de São Paulo inaugurou nesta sexta-feira (23) o primeiro Pátio de Compostagem da Zona Leste. O espaço, terceiro implantado na cidade, vai retirar anualmente dos aterros sanitários 2,8 mil toneladas de resíduos orgânicos, transformando-os em cerca de 420 toneladas/ano de composto de qualidade. Este produto pode ser utilizado na manutenção de parques e praças, além de ser distribuído para feirantes e munícipes gratuitamente.

O terreno com 4.539 m² localizado no bairro da Mooca conta com nove leiras (canteiros), que receberão semanalmente cerca de 60 toneladas de resíduos orgânicos (frutas, legumes e verduras), vindos das 44 feiras livres dos bairros Água Rasa, Belém, Brás, Mooca, Pari e Tatuapé. Assim como nos pátios em funcionamento na Lapa, Zona Oeste, e na Sé, Centro, os resíduos receberão tratamento ambientalmente adequado.

A iniciativa da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb) é um avanço para a cidade de São Paulo no cumprimento das metas do Programa Nacional de Resíduos Sólidos. Além de diminuir a quantidade de resíduos destinados aos aterros, propicia a diminuição das emissões de dióxido de carbono no meio ambiente e economia nos custos de operação – uma vez que evita o deslocamento de caminhões.

Desde o início do projeto em dezembro de 2015, São Paulo deixou de enviar para os aterros sanitários cerca de 3.900 toneladas de resíduos orgânicos, transformando-os em aproximadamente 500 toneladas de composto orgânico de alta qualidade.

O desenvolvimento dessa estrutura é uma parceria entre Amlurb com Subprefeitura da Mooca e a empresa Inova.

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.