O Relatório de Desenvolvimento Humano 2013, apresentado nesta semana pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento aponta para um cenário devastador nas próximas décadas. A organização informa que o mundo poderá passar por uma “catástrofe ambiental” já em 2050.

Conforme a população mundial aumenta, outros problemas também crescem, como a falta de alimentos, água e degradação ambiental. O Pnud estima que nas próximas quatro décadas existam no mundo três bilhões de pessoas vivendo em situação de extrema pobreza, em consequência dos problemas já citados, 155 milhões delas estariam localizadas na América Latina e Caribe.

O documento emitido pela ONU ainda ressalta o aumento na incidência desastres naturais. Os eventos extremos identificados nos últimos anos foram mais intensos e frequentes. Os terremotos e tsunamis que atingiram os EUA em 2011, por exemplo, causaram 20 mil mortes e prejuízo financeiro de R$ 730 milhões.

Como desafios novamente o Pnud destaca a importância das ações governamentais e das parcerias e novas políticas públicas com o intuito de trabalhar em prol da preservação ambiental. É necessário reduzir as emissões de gases de efeito estufa e reduzir ao máximo a pegada ambiental em todos os países do mundo.

Muitas nações anunciaram compromissos com estas causas e os acordos globais também foram referendados por diversas grandes corporações espalhadas por diferentes países. Mesmo assim, o Pnud destaca que existe uma grande diferença entre as promessas e os resultados de fato.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.