Morador de uma área de garimpo em Rondônia, Mário Benedito da Silva criou um vaso sanitário que não utiliza água. Além de neutralizar o odor das fezes, a invenção sustentável evita a contaminação do solo e transforma os dejetos em um pó, que pode até ser usado como adubo.

No lugar da água, o vaso sanitário ecológico criado por Silva despeja cal nas fezes. Além de neutralizar o mau cheiro, esta solução impede a liberação de metano, responsável pela contaminação do solo, dos lençóis freáticos e até pelo aumento das temperaturas no planeta.

“Não polui solo, subsolo, lençol freático, camada de ozônio. E ainda reaproveita aquilo que era um grande problema, que é o rejeito humano, para a construção civil e, no campo, para adubo. Porque as fezes têm nitrogênio, fósforo, potássio, além da cal, que regula a acidez”, diz o inventor.

O modelo sustentável também limpa a urina das pessoas com uma solução que evita o desperdício de água da descarga de fluxo. “A higienização é feita com xampu concentrado e um pouco de água, formando uma espuma e higienizando o vaso”, revela o rondoniense.

Batizado de “Baú Sanitário Ecológico”, o vaso sustentável já é produzido, mas o Mário ainda aguarda propostas de investidores para iniciar a fabricação em larga escala. De acordo com a Sabesp, um vaso sanitário convencional gasta até 14 litros de água a cada descarga de seis segundos. Com informações do Catraca Livre e da Agência Brasil.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.