A prefeitura de Natal, no Rio Grande do Norte, aderiu ao projeto “Pegada Ecológica” e anunciou o compromisso de criar estruturas que reduzir o impacto ambiental do município e da população. O anúncio foi feito pelo prefeito local, Carlos Eduardo, no final de março.

A iniciativa, que segue o conceito internacional de cálculo dos impactos ambientais, foi promovida pela secretaria municipal de Meio Ambiente e Urbanismo, juntamente com o Banco do Brasil, a Fundação Banco do Brasil, a Agência Nacional de Águas (ANA) e a ONG WWF Brasil.

Para que o compromisso fosse feito, foi necessário calcular a pegada ambiental da cidade nordestina. O resultado não foi muito positivo. O índice da capital potiguar, conforme informado pela prefeitura, foi de 1,9 hectare do planeta, conforme a medida usada globalmente para calcular o impacto ambiental. A média foi 15% superior à média nacional e 21% acima dos impactos gerados em uma média do cidadão global.

De acordo com o prefeito, o intuito é conseguir reduzir os impactos gerados na cidade para um hectare. Para alcançar este objetivo, Carlos Eduardo informou que a prefeitura investirá em melhorias no sistema de transporte coletivo, ações de educação ambiental, promoção do uso consciente da água, diminuição no uso de materiais descartáveis em órgãos públicos, entre outras coisas.

A cidade ainda deve ganhar mais cinco zonas de processamento ambiental e as autoridades revisarão o plano diretor municipal. “Nosso compromisso é com o desenvolvimento do município aliado à qualidade de vida da população”, informou o prefeito durante o anúncio oficial.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.