O Marrocos é um dos maiores importadores de energia de sua região no continente africano. No entanto, o país possui alto potencial para as fontes renováveis e tem aproveitado isso. Em junho de 2014 entrou em funcionamento a sua principal usina eólica e a maior da África.

O empreendimento é fruto da parceria entre duas empresas especializadas, GDF Suez e Nareva Holding. A construção, que teve início em janeiro de 2013, teve investimento global de 450 milhões de euros, provenientes de três bancos marroquinos.

A fazenda eólica está localizada na costa atlântica sul do Marrocos e possui capacidade total para produzir 301 megawatts de energia. Apelidado de Tarfaya Wind Farm, o empreendimento se espalha por 8.900 hectares e possui 131 aerogeradores de 2,3 megawatts cada.

O funcionamento começou por partes, com a liberação de 50 MW por vez. Quando estiver em sua plena capacidade, a expectativa é de que a usina possa compensar 900 mil toneladas de CO2 emitidos anualmente, que seria o equivalente ao carbono absorvido por 150 milhões de árvores no mesmo período.

Além do benefício ambiental, a estrutura deve ajudar o país a diminuir a sua dependência de combustível. Somente a Tarfaya Wind Farm vai ajudar a levar eletricidade a 1,5 milhões de residências. Mas, o potencial marroquino é ainda maior. A estimativa é de que o país possa gerar 25 mil megawatts somente a partir da força dos ventos. O objetivo governamental é ter 40% da energia consumida no país proveniente de fontes renováveis até 2020.

Redação CicloVivo

 

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.