O projeto 120 Telhados Solares dá subsídios para vinte famílias da Vila Madalena, bairro da zona oeste de São Paulo, transformarem suas casas em usinas de geração de energia solar. A medida não pretende deixar os moradores totalmente independentes da rede de distribuição de energia elétrica, mas vai aliviar o preço da conta de luz no fim do mês: de acordo com especialistas, a instalação dos painéis fotovoltaicos prevê uma economia média de R$ 720 por ano em cada residência, sem considerar os reajustes da tarifa.

As casas atendidas pelo projeto têm abastecimento de eletricidade alternado: por enquanto, uma fatia de energia ainda é fornecida pela distribuidora, principalmente à noite e nos dias chuvosos ou com baixa incidência dos raios de sol. Nos dias nublados, o sistema também consegue fornecer uma determinada quantidade de sol ao lar, principalmente para fazer a iluminação natural dos ambientes.

A principal motivação dos moradores é colaborar com o desenvolvimento sustentável e aproveitar os subsídios para substituir a eletricidade convencional por uma fonte alternativa, limpa e renovável – mas que ainda demanda altos custos de implantação no Brasil. As residências que participam do projeto vão se livrar do caro preço dos módulos solares, ao passo que colaboram para a microgeração de energia no país, uma regulamentação formatada pelo Ministério de Minas e Energia (MME) e pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) no ano passado.

Além das casas na Vila Madalena, mais cem residências espalhadas pelo Brasil também são contempladas pelo projeto. No entanto, quem instala módulos fotovoltaicos por conta própria precisou apertar o orçamento: é o caso de Vanessa, que optou pela geração de energia limpa depois de se inspirar nas tarefas de casa de suas filhas. Com ajuda de seu marido, a dona de casa instalou 36 painéis solares na parte superior de sua casa, gastando R$ 37 mil. Entretanto, com o sistema capaz de produzir entre 900 e 1000 kWh por mês, o casal espera reduzir a conta de luz em R$ 400.

Para instalar os painéis em casa é necessário contratar um engenheiro registrado no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia. O profissional vai avaliar a incidência solar em cada residência e ficará responsável pelo orçamento e instalação dos módulos. No entanto, é preciso pedir autorização para a distribuidora de eletricidade do município – em São Paulo, a instalação solar da sede do Greenpeace do Butantã levou cinco meses para ser aprovada. Com informações da Folha de S. Paulo.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.