O Rio de Janeiro passa a fazer parte das cidades que recebem ações do ‘Verdejando’, iniciativa promovida pela Globo desde 2013 e que já plantou mais de 6,5 mil mudas e distribuiu mais de 74 mil plantas. Inicialmente realizado apenas em São Paulo, o ‘Verdejando’ chegou, em 2018, também a Brasília, Recife e Belo Horizonte, sempre com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância do verde nos centros urbanos.

Na Cidade Maravilhosa, a iniciativa estreou com uma edição voltada à alimentação. Para isso, a ação foi dividida em três etapas: apresentação da proposta de criação da agrofloresta à população local; oficinas e debate sobre o tema; e mutirão para o plantio agroecológico.

“Estamos muito felizes com a realização do ‘Verdejando’ aqui no Rio. Mais do que nunca precisamos conversar sobre sustentabilidade e poder fazer isso diretamente com a população é uma grande oportunidade. Pensando nisso, procuramos um espaço no qual pudéssemos executar o projeto e um parceiro (Horta Inteligente) capacitado para criar a agrofloresta. Depois de encontrarmos uma área para o plantio no Morro da Providência (região central da cidade), fomos ao local apresentar a proposta e ouvir os moradores, que se mostraram animados com a ideia”, conta André Dias, diretor de Projetos Especiais da Globo.

Foto: Lucas Jones/Globo

O mutirão foi composto por mais de sessenta pessoas, entre moradores da Providência e voluntários, que transformaram o espaço conhecido como Java, uma das vias de acesso à comunidade. Juntos, realizaram o plantio agroecológico de 35 espécies de alimentos por sistema agroflorestal em uma área de aproximadamente 60m².

Foram plantadas diversas espécies frutíferas, como acerola e limão; raízes, como batata doce e inhame; sementes, como milho, feijão e amendoim; além de diversas espécies de ervas medicinais, hortaliças, flores e PANCS (Plantas Alimentícias Não Convencionais).

O grupo ainda construiu uma área de convívio e lazer para a população e providenciou a fitorremediação do corpo hídrico local, uma tecnologia que usa plantas para minimizar poluentes da água. A escadaria e a mureta do espaço de plantio ainda ganhou cor graças ao projeto local Impacto das Cores.

Fotos: Lucas Jones/Globo

Veja também:

O brasileiro que plantou uma agrofloresta no meio da cidade

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.