Com o aumento da preocupação com questões ambientais no mundo até mesmo o segmento de tecnologia e computação deve se adaptar. Um dos termos mais utilizados no mercado tecnológico, a TI (tecnologia da informação), também está se mudando para atender às necessidades globais. Esse novo termo é chamado ‘TI Verde’.

Segundo Pablo Hess, biólogo e editor das revistas de tecnologia Linux Magazine e Easy Linux, o TI verde é um conjunto de práticas que torna mais sustentável e menos prejudicial o uso da computação. O TI verde esta ligado aos processos de fabricação dos componentes, administração, utilização dos equipamentos e descarte do “lixo eletrônico”.

Durante a fabricação dos componentes, um dos principais objetivos é produzir produtos que consumam menos energia e evitar a utilização de metais pesados, altamente nocivos ao meio ambiente. Além disso, deve-se evitar o uso de componentes químicos e aumentar a quantidade de materiais recicláveis na fabricação dos produtos.

Já na administração e uso da TI verde, a principal preocupação é com a economia de energia. Para Pablo Hess, um dos fatores que torna a economia de energia importante, é a redução de calor gerado pelas máquinas em consequência da redução de energia gasta pelas mesmas, como ele explica: “Imagine um data center, um grande salão com centenas de computadores empilhados em racks, cada um desperdiçando alguns Watts de eletricidade sob a forma de calor. Esse calor precisa ser resfriado por um sistema de ar-condicionado, que por sua vez também gasta muita energia. Diminua o calor gerado por máquina e os gastos com resfriamento também caem significativamente. São duas economias de uma só vez.”

Para a redução do consumo de energia, existe a virtualização, importante processo da TI verde que aumenta drasticamente a eficiência e dinamicidade dos processos virtuais. Pablo Henss ressalta que “As soluções de virtualização já se tornaram parte obrigatória do portfólio de todas as grandes empresa de TI.”

Além disso, existem os softwares “verdes” voltados à economia de energia, otimização do computador, e compactação das tarefas.

A redação do CicloVivo listou alguns desses softwares para vocês. Confira:

Edison:Desenvolvido pela Verdiem, este software gratuito ajuda a reduzir o consumo de energia elétrica no PC.

PowerManager 3:Esse aplicativo, criado pela DSSW, só roda em Mac, e pelo 29 dólares que custa, diz ser capaz de economizar centenas de quilowatts por hora (kWh) por ano. Uma versão de testes válida por 30 dias está disponível.

WatchOveEnergy:Embora não seja novo, este aplicativo aprovado pela Energy Star só é compatível com Windows, e pode ajudar numa economia da mais de 150 reais por mês graças a suas ferramentas de gerenciamento de energia.

PowerSave:Disponível para Macs e para PCs, o PowerWave promete gerenciamento inteligente do consumo de energia. Uma versão gratuita para testes está disponível.

BizEE Benchmark:  Embora tenha sido desenvolvido inicialmente para uso comercial, este utilitário pode ser ajustado para uso doméstico e fornecer uma forma útil de controlar o consumo de energia.

JSutils:Este aplicativo oferece um conjunto de funcionalidades para economia de consume de energia que vale a pena verificar.

+ Ativistas usam lixo eletrônico para a produção de energia

Redação CicloVivo

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.