Empresas se juntam para criar drones e reverter poluição marítima

Além de ótimos na captura de imagens e até como equipamento de guerra, drones podem ser usados em prol do meio ambiente!

drones poluição marinha

Por Kym Souza | Casa.com.br

A organização americana de pesquisa e desenvolvimento sem fins lucrativos, Draper, uniu-se a Sprout Studio para combater a contaminação por microplásticos. Junto com a Agência de Proteção Ambiental (EPA – sigla em inglês), eles desenvolveram um drone subaquático.

Trata-se de um sensor de microplástico, que detecta e analisa essas substância invisíveis em oceanos, costeiras e rios.

O objetivo da Draper é que o drone ajude os cientistas a entender a origem dessa substância para então prevenir o contágio das águas. Quando a tecnologia é colocada em ação, ele acha nos primeiros 9 m de profundidade da água, onde os microplásticos estão acumulados, escaneia em busca de tipos específicos, e envia as coordenadas para um mapa de calor.

O projeto também faz parte de uma estratégia de design maior e de longo prazo do Sprout Studios, para desenvolver uma linguagem visual da marca, que seja icônico junto das diferentes divisões e categorias de produtos da Draper. Essa, por sua vez, espera lançar um índice de partículas de poluição, parecido com o de qualidade do ar mundial, que oferece informações em tempo real sobre a poluição no ar.

A Draper planeja deixar disponível, por meio de código aberto, a tecnologia de detecção de microplásticos, para que outros possam contribuir.