Cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, são os responsáveis por criar painéis solares flexíveis, que podem ser aplicados em celulares, janelas ou telhados, por exemplo. O objeto é feito com silício, dióxido de silício e níquel.

Estes são os primeiros protótipos de painéis solares adesivos, ultraflexíveis e que tem grossura similar a um filme fotográfico. Diferente das células fotovoltaicas comuns que são grandes e rígidas, como afirma Chi Hwan Lee, um dos pesquisadores responsável pelo projeto.

Apesar de ser bem diferente, a tecnologia pode ser criada com redução de custos.  “Materiais não convencionais, em geral, são difíceis de usar porque as células fotovoltaicas têm superfície irregular e não lidam bem com processos químicos e térmicos necessários”, afirmou a professora de engenharia Xiaolin Zheng, da Universidade de Stanford.

“Nós superamos o problema criando este painel adesivo, que dá flexibilidade e potencial de ser aplicado em várias superfícies. A aplicabilidade ainda reduz o peso e o custo geral”, completa Xiaolin.

Para construir o adesivo solar, uma camada de níquel foi depositada na superfície do silício, em seguida as células fotovoltaicas finas são colocadas sobre o metal e depois cobertas com um polímero protetor.

A partir daí é colocada uma fita protetora ativada com calor, o que permite a aderência em diferentes superfícies. De acordo com os cientistas, essa composição deve ser mergulhada em um recipiente com água e depois deve ser aquecido a 90º C por alguns segundos.

O resultado é um objeto capaz de ser aplicado em qualquer superfície com fita dupla-face comum ou outro tipo de fita adesiva. “Você pode colocá-las em um capacete de motociclista, em um celular, em suas janelas, no telhado de casas, em roupas, no carro, em aparelhos eletrônicos – virtualmente tudo”, garante a cientista Xiaolin.

A pesquisa foi publicada no periódico “Scientific Reports”, na última quinta-feira (20). Segundo o estudo, a tecnologia pode ser aplicada em papel, plástico ou vidro, entre outras superfícies, sem perder a eficiência na captação da energia. Com informações do G1.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.