Das plantas da bananeira surgiu um tecido impermeável digno de entrar na moda sustentável. Não é novidade o quanto a indústria da moda é impactante, mas este tecido promete responder a questões ambientais, econômicas e sociais. 

Batizado de Bananatex, o tecido é resultado de três anos de pesquisa e desenvolvimento da marca suíça de bolsas Qwstion. Ele é composto por abacá, que é uma fibra e planta da família Musaceae (a mesma da banana). Ou seja é uma espécie de bananeira, mas que produz um fruto não comestível. O processo teve ajuda de especialistas em fios de Taiwan. 

Cultivada nas Filipinas dentro de um ecossistema natural de silvicultura sustentável, a planta não requer tratamentos químicos. Além disso, sendo nativa da região, ela já é usada para reflorestar partes do país que foram devastados para dar lugar às plantações de palmeiras.  

Qualidade

A marca decidiu apostar no produto pela sua alta resistência natural. Além disso, a  empresa garante a qualidade do produto: sendo durável, macio, leve e flexível. Duas opções de fios são produzidos, sendo um naturalmente branco, ou seja, tem a cor real das fibras e o outro é tingido totalmente de preto. A partir dessas duas cores de fios foi criada toda uma coleção de bolsas dos mais variados tipos: bolsas a tiracolo, mochilas e até a boa e velha pochete, que voltou à moda nos últimos anos. 

Fotos: Qwstion

No processo de criação das bolsas, ainda é feito um revestimento natural de cera, que torna o tecido resistente à água. Os modelos ainda foram projetados para serem fechados com a dobra do próprio tecido, de forma a evitar a inclusão de plásticos ou zíperes.

Antes do abacá, a marca já havia testado outras plantas, como bambu, linho e cânhamo. A alternativa criada é mais uma solução eficiente aos tecidos sintéticos presentes em abundância hoje, apesar de ainda não ser economicamente acessível. A empresa inclusive pretende compartilhar o material com outros fabricantes de tecido.