Na última quinta-feira (23), a Renner lançou uma nova edição da Re Jeans, coleção com diversos atributos sustentáveis, confeccionada dentro do conceito de economia circular. Em 2018, a marca apresentou sua primeira coleção do projeto e criou o selo Re-Moda Responsável, que passou a assinar todas as ações da empresa na área de sustentabilidade.

De lá para cá, a atuação responsável da Renner evoluiu, assim como o Re Jeans. A nova versão desta linha de denim foi produzida com um consumo menor de água: a redução média é de 44% em comparação com uma peça convencional.

Para tanto, desenvolveu uma metodologia de pegada hídrica que vem permitindo mapear o uso de água nas etapas de confecção e acabamento de cada jeans. O objetivo é fazer um trabalho de engajamento junto à cadeia de fornecimento e melhorar os processos empregados, além de dar visibilidade aos clientes sobre o nível de água consumido nos diferentes modelos disponíveis para compra.

Outra novidade é que o mix de matérias-primas usadas na confecção de Re Jeans foi aprimorado: assim como em 2018, os fornecedores aproveitaram sobras de tecido – quase todas da produção da própria varejista -, que foram desfibradas e transformadas em um novo fio, evitando a geração de resíduos e originando peças com menor impacto ambiental (a chamada economia circular).

Desta vez, os produtos também levaram algodão com certificação BCI e GRS em sua composição e não tiveram adição de poliéster, o que faz com que o Re Jeans possa ser reciclado novamente, perpetuando o ciclo do desenvolvimento sustentável.

“A Renner tem avançado em sua proposta de moda responsável com uma estratégia consistente, inovando em processos e métodos em colaboração com sua rede de fornecedores. O novo Re Jeans representa mais um passo nesta direção, ao reunir qualidade, informação de moda e diferentes propriedades menos impactantes ao meio ambiente”, afirma o diretor presidente da Lojas Renner, Fabio Faccio.

A coleção cápsula de Re Jeans é composta por peças femininas e masculinas, com opções de calças, shorts, macacões e camisas, que podem ser adquiridas no e-commerce da marca e em sete lojas selecionadas no Brasil. Algumas peças fazem uma releitura de modelos clássicos dos anos 1980 e 1990, enquanto outras trazem composições mais atemporais.

A Renner ainda buscou uma solução responsável para comunicar essa linha de jeans. As tags de papel reciclado que costumam identificar os produtos do selo Re foram substituídas por uma gravação em silk – são impressões na parte interna da roupa, onde consta a descrição sobre as boas práticas envolvidas na produção.

Consistência em sustentabilidade

Atualmente, 75% de todo o jeans da Renner já é feito a partir de materiais e/ou processos de menor impacto. Mas o denim é só um dos exemplos. Hoje, todas as coleções incluem roupas do selo Re, de diferentes tecidos e estilos. Desde 2017, a marca comercializou quase 90 milhões de peças “responsáveis”, confeccionadas com matérias-primas como o fio reciclado, o algodão certificado, a viscose certificada, a poliamida biodegradável e o liocel, além de técnicas como o upcycling.

A evolução contínua está relacionada ao conjunto de ações para o alcance dos compromissos públicos assumidos pela empresa para 2021:

  • ter 80% dos produtos menos impactantes, sendo 100% do algodão certificado;
  • suprir 75% do consumo corporativo de energia com fontes renováveis de baixo impacto;
  • reduzir em 20% as emissões de CO2 em relação aos níveis de 2017;
  • e ter toda a cadeia nacional e internacional de fornecedores com certificação socioambiental.